RCB/TuneIn
Sexta, 14 Mai 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
“É PRECISO REOLHAR A SERRA DA GARDUNHA”
Rádio Cova da Beira
Depois do incêndio que destruiu mais de cinco mil hectares da Serra da Gardunha é tempo de pensar o futuro daquele território, que se estende por várias freguesias do concelho. É o que defende o presidente da câmara municipal do Fundão.
Por Paulo Pinheiro em 28 de Aug de 2017

Outras da categoria:

O autarca fundanense, em declarações à RCB, é categórico em relação à propriedade daquele espaço

 “Não podemos continuar com uma Serra da Gardunha em que mais de 80% da sua propriedade é privada, depois tem 10% que é privada mas mais coletiva e existe uma percentagem muita pequena que é de natureza pública, que não chega a 10%. Isto é impossível gerir”.

Paulo Fernandes defende a necessidade de a legislação obrigar os proprietários dos terrenos a implementar determinados modelos que limite algumas plantações

“Mas se as pessoas não aderirem a esses modelos podemos evitar que façam determinadas plantações. Na parte sul da Gardunha, nos últimos anos, temos feito um esforço para evitar mais eucaliptos e algum resultado foi dando. O que não conseguimos é obrigar as pessoas a fazer reflorestação quando não querem investir e depois ficam buracos na gestão global daquele território”

Mas para o autarca, o flagelo que se abateu na Gardunha deve ser uma oportunidade para pensar no futuro daquela área

“Por muito que nos custe, temos agora uma oportunidade que aquilo que foram os planos sobretudo dos anos 60 e os 70 que levaram a que a gardunha se transformasse numa área muito homogénea, nomeadamente na parte do pinheiro, com alguns focos de castanheiro e carvalho, que felizmente têm resistido fogo após fogo. Acho que devemos preparar uma Gardunha não na ideia do urgente de a querermos já vistosa e verde mas numa ideia mais sustentável que queremos que as próximas gerações não passem pelo mesmo que agora estamos a passar”  

 

Para o presidente da autarquia fundanense é preciso “compatibilizar as coisas positivas da Gardunha. A Serra podem ser cerejais? Claro que sim! A Gardunha deve ter espécies autóctones? Claro que sim, nomeadamente os medronheiros na zona sul, os carvalhos, os castanheiros todos são muto bem-vindos. Mas a Serra da Gardunha também é pastores e talvez tenhamos que ter espaços para a linha da pastorícia não devemos ficar obcecados para que no meio das pedras de granito expostas à erosão do tempo tenhamos que plantar árvores. Isto obriga a uma reflexão”.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados