RCB/TuneIn
S√°bado, 19 Jun 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÔŅĹTICA
A ESTRADA DA DISC√ďRDIA
Rádio Cova da Beira
Presidente da junta de Aldeia de S. Francisco de Assis enviou um mail aos vereadores da c√Ęmara municipal da Covilh√£ a informar que terminou a colabora√ß√£o da junta em rela√ß√£o √† Estrada municipal 512. C√Ęmara da Covilh√£ escreve comunicado para esclarecer contornos da famigerada obra.
Por Paula Brito em 22 de Jan de 2013

No mail, José Luís Campos diz que não tem interesses pessoais na empreitada e não está para aceitar os interesses de Carlos Pinto na prioridade que deu à pavimentação de uma estrada “onde circulam duas dezenas de viaturas diariamente”. O autarca anula ainda a proposta apresentada ao presidente da câmara da Covilhã de fornecimento de materiais para a obra uma vez que a “a CMC fez questão de já ter entregue os trabalhos ao habitual empreiteiro”.

Pedro Silva deu voz ao comunicado do autarca de Aldeia de S. Francisco de Assis e no final deixou três questões ao executivo “o porquê do início do asfaltamento do Ourondo para o Zêzere sendo que o trajecto mais utilizado é o troço que vai da Barroca até ao rio, e se é ou não verdade que foi manifestado junto da câmara municipal a disponibilidade de tout-venant, máquinas, combustível e energia para a pavimentação da estrada?”. Pedro Silva questionou ainda Pedro Farromba, que presidiu à reunião, se houve ou não o pedido de um milhão de euros à empresa Beralt tin para asfaltar a estrada municipal 512.

 O PS ainda propôs o reatar do diálogo entre a câmara, a junta de freguesia e a comunidade local mas a ruptura parece irreversível. A câmara da Covilhã decidiu, em comunicado, esclarecer a situação. A começar pelo facto do presidente da junta de Aldeia de S. Francisco de Assis ter passado dos aplausos para os assobios ao presidente da câmara da Covilhã “este presidente da junta é o mesmo que terminados os trabalhos há poucos meses, apresentou à câmara a sugestão de os militares ali continuarem por mais uns largos meses, agora para intervirem na estrada até Pampilhosa da Serra,(...) o que nessa altura o preocupava é que ali continuassem, a fazer despesa de 50 mil euros por mês, onde se incluía, alimentação e estadia fornecida por uma entidade a que está ligado”.

Quanto às prioridades definidas pelo executivo, Pedro Farromba diz que foram definidas em função de uma equação simples “das duas estradas que estamos a falar, uma está aberta ao trânsito, outra não está”. 

O presidente em exercício fez ainda o ponto de situação da obra onde a autarquia investiu, de Junho de 2009 a Agosto de 2012, mais de um milhão e meio de euros nos troços do Alto da Barroca até à ponte sobre o rio Zêzere e na ligação à sede de concelho até à ponte sobre a ribeira do Ourondo “concluídos estes trabalhos, iniciou-se esta semana o asfaltamento, por empreiteiro seleccionado segundo regras da contratação pública, desde o Ourondo até à Ribeira do Bodelhão, dado que este troço se encontra fechado à circulação, ficam por concluir os trabalhos desde a Ribeiro do Alvorosso até à ponte sobre o rio Zêzere, cujo custo ronda cerca de um milhão de euros”.

No comunicado, lido por Pedro Farromba, é confirmada a reunião entre o presidente da câmara da Covilhã e o presidente da Beralt tin onde o autarca apresentou um pedido de cooperação, “na base do que tem vindo a ser feito em todo o país em que as empresas mineiras concessionárias prestam contrapartidas ao estado”. No comunicado pode ler-se que inicialmente a empresa se mostrou completamente disponível “para na passada semana invocar impossibilidade com base na baixa de preço do mercado do volfrâmio”.  

  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados