RCB/TuneIn
Sábado, 07 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
CALOR MATA EM SIL?NCIO
Se as previs?es do Centro Europeu de Previs?o a m?dio prazo se confirmarem, este Ver?o ser? o mais quente dos ?ltimos 25 anos. Uma situa??o que para o meteorologista Costa Alves seria de "cat?strofe" num pa?s onde se morre de calor silenciosamente.
Por Paula Brito em 23 de Jul de 2008

Em entrevista ao programa "Flagrante Directo" da RCB o meteorologista diz que se este for de facto o Verão mais quente dos últimos 25 anos "será uma catástrofe para o nosso país", basta olhar para os números dos últimos 5 anos "em 2003 registaram-se duas mil mortes devido ao calor, em 2004, apesar de se circunscrever ao Algarve, morreram 100 pessoas, em 2005 mais 400 e em 2006, as 5 ondas de calor provocaram mais 1.400 mortes".

Segundo Costa Alves, depois do terramoto de 1755 as ondas de calor são o fenómeno natural que mais mortes provocou em Portugal. Na região, a maior onda de calor dos últimos 100 anos ocorreu em 2003 e durou 17 dias. Para ser considerada onda de calor "é necessário que as temperaturas elevadas se mantenham durante pelo menos 5 dias consecutivos" explica o meteorologista que em relação à Beira Interior especifica "estamos a falar de temperaturas acima dos 38 graus consecutivamente, havendo dias que pode ultrapassar os 40 graus".

A região e o país não estão preparados para as ondas de calor "a situação não está a ser encarada como devia" e deixa o exemplo "perante uma onda de calor é preciso acudir em duas frentes: aos incêndios e à saúde humana e a nossa preocupação são os bens materiais". A morte pelo calor é na opinião de Costa Alves uma catástrofes mais silenciosa e menos mediática que os incêndios e para a qual o país não está prevenido como se preveniu contra o fogo. Exemplo disso é "o incumprimento do plano de climatização dos hospitais, a ausência de climatização em lares, centros de dia, creches e ATLs, no fundo, as instituições onde se concentram os grupos de risco". Por outro lado, denuncia ainda,  em Portugal a construção civil não tem em conta o tipo de clima de cada região "constrói-se uma casa da mesma forma e com os mesmos materiais de norte a sul do país".


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados