RCB/TuneIn
Sábado, 19 Set 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
ADIADA LEITURA DO AC?RD?O
Ainda n?o foi desta que foi lido o ac?rd?o do caso que ficou conhecido como o homic?dio da lixeira em Castelo Branco. As altera??es solicitadas pela acusa??o, estiveram na origem do adiamento.
Por Paula Brito em 27 de Jan de 2011

Antes da leitura do acórdão a acusação decidiu introduzir algumas alterações que, segundo a juiza que preside ao colectivo, Maria João Lopes, têm a ver com pormenores e circunstâncias que resultaram da inspecção realizada ao local onde foi encontrada a vítima e que em nada alteram os factos.

A acusação propõe ainda a alteração da tipologia de dois dos cinco crimes de que o arguido é acusado. Segundo o advogado da família da vítima, João Reis, o crime de rapto passa a crime de sequestro e o crime de extorsão passa a crime de roubo.

Uma alteração que levou a defesa a pedir "um mínimo de 10 dias" para analisar a situação. Segundo o advogado de defesa, José Carlos Marcelo, estas alterações não podem ser introduzidas antes da leitura do acórdão. É que a alteração da tipologia do crime altera também a moldura penal porque "nos dois casos a alteração significa um agravamento das penas".

Mantêm-se, no entanto, os restantes crimes de que o arguido é acusado: homicídio qualificado, burla informática e ocultação de cadáver.

O colectivo de juizes deferiu o pedido da defesa e marcou nova sessão de julgamento para o próximo dia 9 de Fevereiro. Até lá a defesa tem que apresentar nova prova para prosseguir o julgamento, caso contrário mantém-se a leitura do acórdão para essa data.

 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados