RCB/TuneIn
Sábado, 13 Ago 2022
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
AMC GUARDA MINUTO DE SILÊNCIO
Rádio Cova da Beira
Nenhuma bancada ficou indiferente ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia na última Assembleia Municipal da Covilhã (AMC) onde foram votadas três moções sobre o tema e guardado um minuto de silêncio, “pelas vítimas da invasão Russa”.
Por Paula Brito Batista em 28 de Feb de 2022

A moção, subscrita pelas bancadas do PSD e do CDS-PP e lida por Adolfo Mesquita Nunes, condena e repudia “uma invasão ilegal, uma invasão ilegítima e uma invasão imperialista que acaba, dinamita, limita e mutila a paz, a liberdade e a igualdade de cidadãos”. Uma moção de solidariedade para com o povo ucraniano, em especial “os cidadãos de ascendência ou naturalidade ucraniana que estudam ou residem no nosso concelho”, que defende uma solução que respeite a soberania e a liberdade da Ucrânia.

 

Uma moção aprovada por maioria, com 35 votos a favor e três abstenções da bancada da CDU.

 

Também a bancada do Partido Socialista, apresentou uma moção sobre o tema, em que apela ao governo russo, “que cesse de imediato a agressão militar à Ucrânia”, e ao povo russo, “que faça sentir ao seu governo que a guerra não é solução, instando a regressar à solução diplomática e ao respeito do direito internacional.” Segundo Hélio Fazendeiro, trata-se de um voto de solidariedade para com a Ucrânia e o Povo ucraniano, “e uma firme condenação e repúdio desta ação de guerra inaceitável e intolerável da Rússia ao estado soberano da Ucrânia”.

 

Uma moção aprovada por maioria, com 31 votos a favor e três abstenções da bancada da CDU.  

 

Em defesa da paz e pelo fim da escalada de confrontação na Europa, a moção apresentada pela CDU apela “à urgente descalada do conflito, à instauração de um cessar fogo e à abertura de uma via negocial.” Na moção, lida por Vítor Reis Silva, a Coligação Democrática Unitária sublinha “a premente necessidade de iniciativas que contribuam para um processo de diálogo, com vista a uma solução política para o conflito na Ucrânia” e insta a que o governo português atue de forma “a favorecer o fim da escalada de confrontação, a solução negociada dos conflitos internacionais, a paz e o desarmamento em consonância com a Constituição da República Portuguesa.”

 

Uma moção rejeitada pela Assembleia Municipal com oito votos contra, 29 abstenções e três votos a favor. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2022 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados