RCB/TuneIn
Segunda, 01 Mar 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
VACINAÇÃO CHEGOU AOS LARES DO FUNDÃO
Rádio Cova da Beira
Começou esta terça-feira o processo de vacinação nos lares do concelho do Fundão. O pontapé de saída foi dado no lar de Nossa Senhora de Fátima, da Santa Casa da Misericórdia do Fundão, onde foram vacinados funcionários, utentes do lar e da unidade de cuidados continuados.
Por Paula Brito em 19 de Jan de 2021

Durante esta semana a vacina vai chegar a todos os lares do concelho, com exceção daqueles onde existem surtos atualmente e que terão de ficar para uma segunda fase.


“Vai decorrer durante esta semana todo o processo de vacinação em todas as estruturas residenciais, vulgarmente conhecidos por lares, sendo que estão neste momento todos previstos, exceto naqueles em que temos alguma situação de risco ou algum surto identificado que são, Alpedrinha, Póvoa de Atalaia, Capinha e, mais recentemente, Bogas de Cima.”

 

Segundo o presidente da câmara do Fundão nos lares de Alpedrinha, Póvoa de Atalaia e Capinha a situação é estável, em relação ao mais recente surto, em Bogas de Cima, existem quatro casos confirmados, dois utentes e dois funcionários, mas, segundo o autarca, a situação está a ser seguida de perto.

 

Paulo Fernandes lamenta que nestes lares não possa haver vacinação, nesta primeira fase, uma vez que isso só pode acontecer quando os surtos estiverem debelados. Assim, sendo o universo de pessoas nos lares que vão ser vacinadas esta semana, no concelho, diminui de cerca de 800 para 700.

 

“Devido a estes surtos que estamos a falar, são cerca de 700 utentes que vão ser contemplados até ao próximo sábado, neste exercício muito relevante nos públicos que têm tido maior fragilidade a esta terrível pandemia, de forma a tentar diminuir o risco que, no nosso concelho, já têm tido consequências bem trágicas.”

 

Paulo Fernandes diz que a vacina é uma esperança numa altura em que se vive o pior momento da pandemia, por isso não se pode baixar a guarda.

 

“Não podemos, nem por um bocadinho, baixar a guarda, acho que tem até de haver um surto cívico, como houve na primeira fase da pandemia, onde o esforço coletivo foi exemplar, e temos que voltar a esse tom de solidariedade entre todos e de grande sentido de responsabilidade.”

 

O provedor da Santa Casa da Misericórdia do Fundão olha para o momento como uma luz de esperança que hoje se acendeu na misericórdia, mas recorda que a vacinação não é uma solução imediata.

 

“Embora muita gente pense que tomamos a vacina e o problema fica resolvido, não fica. Mas, é o começo da resolução deste enorme problema, por isso é uma luz de uma enorme esperança que hoje se acende na misericórdia, em concreto neste lar, e que se vai estender, progressivamente, a todos os lares da instituição.”

 

A luz de esperança que hoje foi acesa no lar de Nossa Senhora de Fátima, que recebeu as primeiras vacinas que, durante a semana irão chegar aos lares do concelho onde atualmente não há nenhum surto de Covid-19. Essa era, de resto, uma das preocupações do autarca fundanense.

 

“A vacina estava a tardar em chegar à Cova da Beira e, estas instituições têm estas janelas de oportunidades sem surtos, e por isso estas janelas de oportunidades têm de ser rápidas e eficazes, porque nas circunstâncias em que vivemos, de contágio tão forte na comunidade, em qualquer momento pode haver um surto, e isso pode atrasar meses o processo de vacinação. Por isso, não deixa de ser um momento de alguma esperança.”

 

Um momento de esperança, diz Paulo Fernandes, mas “não de baixar a guarda”. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados