RCB/TuneIn
Quinta, 18 Jul 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL√ćTICA
UM PS DIFERENTE
Dar voz aos militantes e fazer uma oposi??o cred?vel no concelho da Covilh?. Uma comiss?o pol?tica presente e que apoie os eleitos nos diferentes ?rg?os aut?rquicos. Algumas das metas enunciadas por Telma Madaleno na apresenta??o da candidatura ? presid?ncia da concelhia do partido socialista covilhanense.
Por Paulo Pinheiro em 31 de Mar de 2008

Com sala quase cheia de militantes da cidade e de diversas freguesias, Telma Madaleno promete, caso seja eleito a 5 de Abril, um partido socialista na Covilhã diferente do actual “ não tem havido oposição à gestão PSD no município, os autarcas socialistas não têm recebido o apoio necessário por parte dos órgãos do partido, é isto que queremos mudar, é estar presentes na vida dos militantes. Só com uma estratégia comum é possível fazer uma oposição credível” referiu a candidata. Carlos Casteleiro, Nelson Silva, Carlos Mineiro, Artur Patuleia, Hélio Fazendeiro, António Carriço são alguns dos nomes que figuram na lista de efectivos apresentada. Questionada sobre o candidato socialista à presidência da câmara municipal da Covilhã, nas autárquicas de 2009, Telma Madaleno diz que é muito cedo para falar em pessoas mas traça o perfil do número da lista “ tem que ser um candidato com perfil forte, vencedor, alguém que saiba ouvir as necessidades dos covilhanenses. É muito cedo para falar em nomes” rematou. Telma Madaleno entrou aos 14 anos na juventude socialista, foi um das fundadoras do núcleo da JS na freguesia do Teixoso, e desde então pertenceu a todas as concelhias do PS na Covilhã. Admite que o trabalho que se avizinha é árduo mas com diálogo com os militantes e os covilhanenses é possível atingir os objectivos. A criação de um gabinete autárquico, de apoio aos eleitos do PS, uma página na Internet, a revitalização da sede e a instalação de um arquivo foram algumas das ideias lançadas na sessão de apresentação da sua candidatura. Nas críticas à actual gestão social-democrata, Telma Madaleno apontou a venda de 49% da empresa “ Águas da Covilhã” como uma decisão “ferida de legitimidade política”.

 

Vítor Pereira não se recandidata

 

A decisão está tomada. O actual presidente da concelhia do PS da Covilhã não se recandidata ao cargo. Em carta enviada aos militantes Vítor Pereira justifica a tomada de posição pelo facto de “ não querer ser factor de divisão ou dissensão” entendendo ter uma posição neutral “para não prejudicar a vontade de qualquer militante em se tornar parte activa nas eleições que se avizinham”. Na missiva Vítor Pereira, em final de mandato, reconhece que não foram cumpridos todos os objectivos iniciais mas sublinha que “o PS é um partido respeitado e reconhecido pelos cidadãos covilhanenses, podendo e devendo aspirar a conquistar a presidência da câmara municipal da Covilhã”.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados