RCB/TuneIn
Sábado, 26 Set 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
RESOLUÇÃO DE PROCESSOS A 98%
Rádio Cova da Beira
A Comarca de Castelo Branco tem uma percentagem de resolução de processos a 98%. Os números, relativos ao primeiro semestre, revelam um decréscimo no número de processos entrados, mas uma resposta próxima dos 100%.
Por Paula Brito em 12 de Aug de 2020

“Nós em termos de resolução de processos estamos a 98%, e os 2% que faltam, daqui a três ou quatro meses, se não houver agravamento da situação, vamos conseguir equilibrar e chegar aos nossos 110%. O que também é mau, porque se nós arquivamos mais processos do que aqueles que entram começam a encerrar serviços, e já o quiseram fazer”.

 

Segundo o juiz presidente da Comarca de Castelo Branco foram 150 mil os processos entrados na justiça durante o primeiro semestre, no país, “metade do normal”, devido à pandemia que, no caso de Castelo Branco, não provocou atrasos na justiça.

 

Antes de sair da presidência da comarca, no final do ano, José Avelino gostaria de ver instalado o tribunal de trabalho da Covilhã, na casa dos magistrados. Um processo que se arrasta há quatro anos, devido a um conflito que nunca deveria ter acontecido, a bem da região.  “Somos todos da região, todos queremos o bem para as nossas terras e as nossas gentes e o tribunal de trabalho é importantíssimo, principalmente nestas crises, o tribunal de trabalho, a par do de menores, é importante para as pessoas verem os seus problemas resolvidos.”

 

Também o tribunal de família vai mudar para o local onde funciona atualmente a conservatória, conferindo-lhe a discrição e privacidade que necessita e que não é possível preservar atualmente junto ao tribunal cível e criminal, na Covilhã.

 

“Parece, esperemos que não seja só daquelas coisas que saem e que nunca se concretizam, parece que vamos finalmente mudá-lo para as instalações onde está atualmente a conservatória, o que seria ótimo, porque é dentro do próprio edifício, mas afastado.”

 

O elevador, para melhorar a acessibilidade ao tribunal de Penamacor, é a outra obra que falta à Comarca e que José Avelino também acredita que estará pronta antes da sua saída, no final do ano. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados