RCB/TuneIn
Domingo, 08 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
CONSELHO GERAL APROVA REESTRUTURAÇÃO DO IPCB
Rádio Cova da Beira
Reunido esta segunda-feira, o Conselho Geral do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) aprovou o cenário de reestruturação do Instituto que prevê a redução, das atuais seis escolas para quatro. Com três votos contra e três abstenções, a proposta foi aprovada pela maioria dos conselheiros.
Por Paula Brito em 02 de Dec de 2019

O ex-autarca Joaquim Morão, o professor Carlos Reis e o aluno que representa a Escola Superior de Gestão de Idanha a Nova, votaram contra. Helena Freitas, membro cooptado do conselho geral, e os docentes José Carlos Gonçalves e Moitinho Rodrigues, abstiveram-se. Os restantes conselheiros votaram a favor, alguns dos quais surpreenderam o presidente da câmara de Idanha a Nova.

“o presidente da câmara de Castelo Branco não tem mais legitimidade para defender nada para o interior, mas também me surpreendeu o facto de o presidente da câmara do Fundão também ter defendido esta estratégia. Isto quer dizer que há políticos que têm dois pesos e duas medidas, temos que ser coerentes com o que defendemos. De Castelo Branco já tinha essa noção, mas do Fundão não esperava.”

O autarca de Idanha a Nova que, esta tarde, integrou a manifestação que foi de Idanha a Castelo Branco lutar pela manutenção da sede da Esgin em Idanha a Nova com autonomia científica e pedagógica.

O autarca entende que não pode ser um conjunto de gestores e políticos a revogar uma decisão do governo, que criou a escola em Idanha a Nova, por isso a luta vai agora ser transferida para o Terreiro do Paço.

“Vamos continuar a nossa luta que vai ao encontro da decisão tomada pelo governo. Cabe ao governo da nação extingui-lo e não a entenderemos, nem aceitaremos de outra forma, por isso vamos transferir a luta para o Terreiro do Paço.”

Segundo Armindo Jacinto ainda há muito combate pela frente.

“Combate-se com a palavra, com o povo da Idanha, podemos morrer, mas morreremos de pé, como as árvores.”

É que a decisão tomada hoje, a avançar, é uma certidão de óbito antecipada da Escola Superior de Gestão em Idanha a Nova.

“Além de perder a sua sede, autonomia científica e pedagógica, esta proposta ainda prevê que parte dos cursos que estão em Idanha passem para Castelo Branco, a curto prazo é uma certidão de óbito.”


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados