RCB/TuneIn
Domingo, 20 Out 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
DESPORTIVA DO FUND?O PERDE DOIS PONTOS NO TEIXOSO
Desportiva do Fund?o perde dois pontos por culpa pr?pria. Os fundanenses criaram e desperdi?aram situa??es de golo em n?mero suficiente para terem goleado o GD Teixosense.
Por José Joaquim Ribeiro em 02 de Mar de 2008

A primeira parte não foi nada bem jogada, embora tivesse sido uma partida muito discutida, com entrega total dos jogadores dos dois conjuntos. Em termos de oportunidades as duas mais flagrantes pertenceram à Desportiva do Fundão, que, embora não estivesse a rubricar uma grande exibição, notava-se que a bola era tratada de modo mais consentâneo com os compêndios do futebol. Aos 14 minutos Nuno Batista faz uma diagonal perfeita e isola Ricardo Fonseca, este corre ao encontro do guardião contrário e, quando pretende colocar-lhe a bola ao segundo poste erra o alvo atirando ao lado. A segunda grande ocasião foi aos 38’. Tudo começou num canto, com a bola a ser rechaçada da zona frontal da baliza, sobra para a zona da meia lua, seguindo para Ricardo Fonseca que dominou a bola, bem próximo do linha de fundo, cruzou para o segundo poste onde Cristiano Costa, completamente à vontade, rematou de cabeça ao lado.

 

Embora o jogo fosse algo dividido, a Desportiva era quem mais jogadas ofensivas produzia. Nesta primeira parte, para além dos dois lances já referidos e de vários livres, assinalados em zona de perigo, mas batidos de forma deficiente por Óscar Menino ou Luciano, a nota de maior saliência vai para um lance ocorrido ao minuto 44’ quando Gonçalo faz carga faltosa sobre Marco Aurélio, dentro da área de grande penalidade, que Rui Dias não sancionou com o castigo máximo, como em nossa opinião deveria ter feito. Ainda antes do apito para o final da primeira parte, Óscar Menino, um dos jogadores mais rematadores e que tudo fez para mudar o rumo dos acontecimentos, rematou de meia distância para defesa difícil de Batista.

 

A segunda parte começou com mais um livre perigoso, em zona frontal, por carga sobre Ricardo Morais, com Óscar Menino a rematar para as mãos do guardião do Teixosense. Quatro minutos depois outro erro de Rui Dias, Ricardo Fonseca é deliberadamente agarrado dentro da área de rigor e, mais uma vez, o árbitro do encontro mandou jogar, sem ter sancionado uma falta clara para grande penalidade.

 

Neste segundo período só deu Desportiva do Fundão. Muitas jogadas ofensiva, muitos remates, muitas perdidas desperdiçadas e, por banda dos jogadores do Teixosense, muita entrega e muitas perdas de tempo.

 

As oportunidades flagrantes aconteceram aos 53’ com Ricardo Fonseca a rematar às malhas laterais depois de boa assistência de Nuno Batista, aos 57’ Rui Paulo, completamente isolado mais não fez do que servir o guardião contrário, atirando-lhe o esférico para as mãos; Aos 63’ Ricardo Fonseca  ocorre a fazer a recarga a um remate de Ricardo Morais que Batista repeliu para a frente, introduzindo a bola na baliza, mas seria apanhado em posição de fora de jogo – foram quatro as situações em que a bola entrou na baliza do Teixosense, todas na segunda parte, em lances considerados de fora de jogo, três de Ricardo Fonseca e um de Rui Paulo -, Aos 86’ mais uma grande jogada de Óscar Menino, levou a bola até à linha de fundo, ofereceu o golo a Ricardo Morais, que estava em óptima posição, este, tal a confiança,  fez a “tapinha”, mas a bola saiu ao lado, logo a seguir é Hélio Salvado, um júnior, a rematar forte, mas mais uma vez a bola não levava a direcção correcta e já em tempo de compensações, Rui Paulo falha um golo a um metro da baliza. Neste lance mérito para Batista na abordagem que fez do lance.

O Teixosense, que soube muito bem tapar, como pôde, os caminhos da sua baliza teve, também em período de descontos a sua única chance de chegar ao golo. Foi num livre apontado na esquerda a bola é enviada para a área e Tiago não chega por muito pouco.

 

A equipa fundanense perdeu dois pontos num campo onde provavelmente não esperaria perder, mas, na nossa opinião, perdeu esses dois pontos muito por culpa própria. A falta de eficácia foi por demais notada e, quando assim acontece até os eventuais erros dos árbitros acabam por ser decisões menores. Os homens da Desportiva queixam-se dos erros da equipa de arbitragem, mas não poderão esquecer que o primeiro grande erro de Rui Dias foi não ter assinalado uma grande penalidade, no final da primeira parte, a favor do Teixosense. O que teria acontecido que esse lance resultasse em golo ?

 

Reforçamos que Rui Dias não esteve bem neste jogo, fundamentalmente, pelas duas grandes penalidades que não assinalou. Quanto aos lances de fora de jogo assinalados nas quatro ocasiões em que a bola foi para o fundo das redes da baliza dos homens do Teixoso, muito sinceramente, não temos opinião, estamos no centro do terreno e os lances ocorrem dentro da grande área, bem longe de uma avaliação rigorosa.

 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados