RCB/TuneIn
Quarta, 13 Nov 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
ISTO SÓ LÁ VAI COM MEDIDAS DRÁSTICAS
Rádio Cova da Beira
Só com políticas drásticas é possível inverter a tendência de despovoamento do interior do país. Defendeu António Beites no fórum sobre o futuro de Penamacor que juntou, no passado sábado, vários empresários, instituições e entidades públicas e privadas, no auditório da escola de música.
Por Paula Brito em 22 de Oct de 2019

Presidente de um dos municípios mais envelhecidos do país, onde apenas cerca de 30 crianças frequentam o pré-escolar, o autarca de Penamacor entende que não é com políticas locais que se consegue inverter esta tendência.

“Isto só se inverte com políticas centrais, com discriminação positiva, mas completamente drásticas, não é com majorações de 10% que isto vai a lado nenhum. Tem de ser um pacote fiscal, e não só, um pacote associado a políticas de investimento nestes territórios que possam fazer com que haja alguma inversão”.

No final, à comunicação social, o autarca especificou o tipo de incentivos fiscais que fariam a diferença.

“Se uma empresa ao fim do ano tem lucro e a perspetiva é reinvestir, porque é que há de pagar imposto sobre o lucro que ainda tem? Porque é que os empregados dessas empresas que se deslocalizam para investir no interior têm que ter as mesmas taxas de IRS que existem nos grandes centros urbanos?”

António José Seguro participou no fórum e organização, na qualidade de penamacorense e empresário. Afastado da política, o ex-secretário geral do PS, nunca se afastou do interior e do seu concelho.

“Há uma coisa que eu sempre estive disponível e estarei disponível em qualquer circunstância, que é lutar pela minha terra e pelo interior de Portugal, da mesma forma que também luto por Portugal. Há quem olhe para o interior e acha que é um fardo, que é um território dispensável, eu olho para o interior, mesmo quando tinha responsabilidades nacionais, como terra de oportunidade.  O país não é igual, e a beleza e riqueza do país está nessa diferença.”

O empresário, que abriu em Penamacor um espaço de turismo rural em junho último, diz que o investimento está a “correr bem”, mas Penamacor precisa continuar a afirmar-se pela diferença e qualidade.

“Penamacor não é um sítio de passagem, para se vir cá tem que se vir de propósito. Nós temos que criar condições, e já há, o número de camas tem vindo a aumentar, mas também tem que se fazer um esforço na área da restauração. É importante, na área do turismo, obedecer a dois critérios - qualidade e diferenciação – as pessoas só se  e estão disponíveis a pagar mais, se forem bem servidas, comerem bem e estiverem num sítio aprazível, e sobretudo se puderem associar coisas que não existem noutro sítio.”

Um fórum que foi uma oportunidade para somar vontades, experiência, trabalho e voz pelo concelho e pelo interior do país.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados