RCB/TuneIn
Segunda, 22 Jul 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL√ćTICA
A UMA S? VOZ
A Assembleia Municipal da Covilh? exige ao governo a cria??o da comarca judicial da Cova da Beira, sediada no tribunal daquela cidade. Foi o tema, que marcou de forma mais vincada a ?ltima reuni?o do ?rg?o.
Por César Duarte Ferreira & Nuno Miguel em 19 de Feb de 2008

Na reforma para o novo mapa judiciário, que não prevê a criação da circunscrição judicial da Cova da Beira, mereceu críticas por parte da Assembleia municipal da Covilhã. As diferentes bancadas partidárias, mantiveram-se unidas contra uma decisão que consideram inaceitável. Mas o mais crítico, foi mesmo Carlos Pinto, presidente da câmara municipal da Covilhã, que considera “que existe uma tendência de olhar para esta região como tendo uma capital de distrito em Castelo Branco. Isso é obsoleto, porque para mim já não existem capitais de distrito. Isso é uma balela, um embuste.” Para o autarca esta revisão foi feita “ por alguém que não conhece o país.”

Luís Fiadeiro, da bancada do PSD, da assembleia municipal, considera que a proposta do governo “ confirma as piores expectativas sobre este assunto. Se for aprovada é uma machadada no povo da Cova da Beira.”

Nesta reunião foi aprovada por unanimidade uma moção onde é feita a exigência ao governo da criação da comarca da Cova da Beira. Tendo votado favoravelmente este documento, Hélio Fazendeiro, da bancada do PS, acredita que o governo vai ouvir esta reivindicação: “ somos frontalmente contra esta revisão, mas temos esperança na resolução do problema.”

A bancada da CDU também defendeu o actual mapa judiciário e a posição assumida por PS e PSD deixa Carlos Gil tranquilo “ e confiante que isto não vai para a frente.”

Mais activa, a eleita do CDS/PP, Isilda Barata, chegou a propor a realização de uma acção de protesto junto da residência do Primeiro – Ministro. “ Devemos ir a São Bento para lembrar ao Primeiro Ministro, onde é a Covilhã”.

Também o Bloco de Esquerda votou a favor da moção apresentada pela bancada do PSD, sem que no entanto, José Serra deixa-se um recado ao executivo municipal: “espero que este principio de participação democrática, que o senhor presidente tanto defende, seja também aplicada para dentro do concelho.”

A reorganização do mapa judiciário vai ser abordada numa reunião a ter lugar , em breve, entre o presidente da câmara da Covilhã e o secretário de estado da justiça. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados