RCB/TuneIn
Quinta, 17 Out 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
“O TORTOSENDO FOI ABANDONADO”
Rádio Cova da Beira
O presidente da junta de freguesia do Tortosendo deslocou-se à última reunião pública da câmara da Covilhã onde acusou a autarquia de estar a abandonar as populações daquela vila. Em causa está o facto de as máquinas do município se terem deslocado esta semana ao Tortosendo, para uma intervenção de asfaltamento no bairro do Espertim, mas deixando de fora duas intervenções há muito reivindicadas; as transversais dos Maiorais e do parque de São Miguel.
Por Nuno Miguel em 20 de Jul de 2019
De acordo com David Silva essas intervenções podem ser realizadas durante dois dias e por isso foi à reunião do executivo apelar para que as máquinas não saiam da vila “as máquinas ainda estão no Tortosendo e eu conversei com o encarregado que me disse que durante dois dias conseguia fazer essas duas intervenções. A junta de freguesia está disponível para adquirir o material e se os caminhos fossem preparados hoje na próxima segunda-feira estávamos em condições de também dar resposta a um problema que tem 30 anos. É por isso que estou aqui. Compreendemos o planeamento de trabalhos, mas as máquinas estão no Tortosendo e essa intervenção podia ser feita no imediato”.  
A primeira resposta ao presidente da junta do Tortosendo foi dada pelo responsável do departamento de obras na autarquia. De acordo com Jorge Vieira a intervenção reivindicada faz parte do calendário já definido pelos serviços técnicos e o regresso das máquinas é necessário para se terminarem os trabalhos de construção da ciclovia na cidade “terminámos agora no Tortosendo uma intervenção que teve uma justificação de urgência e para isso interrompemos os trabalhos que estávamos a realizar noutro local e essa intervenção tem de ser retomada. O que foi dito ao senhor presidente da junta é que iremos agendar uma segunda deslocação para fazer os dois arruamentos que ele referenciou. Os trabalhos que interrompemos estão a decorrer aqui na cidade, são de tapamento de fissuras nos locais onde vai ser pintada a ciclovia e o empreiteiro que está contratado para fazer o «slurry» só vai poder entrar em obra que todos os buracos estiverem tapados”.    
Para o presidente da câmara da Covilhã não existe qualquer má vontade em torno desta matéria, mas há prazos que tem de ser cumpridos uma vez que a obra da ciclovia tem de ser executada sob pena de se perder parte do financiamento comunitário. Por isso Vítor Pereira apelou à compreensão do autarca do Tortosendo, garantindo que essa intervenção vai ser efectuada dentro de algumas semanas “está a aproximar-se o período de férias, temos menos recursos humanos disponíveis e corremos o risco de não cumprir o prazo da intervenção da ciclovia e de não receber o dinheiro da união europeia porque, como o senhor sabe, estamos a falar de uma candidatura com fundos comunitários. Ora se está previsto o regresso ao Tortosendo o mundo não desaba e os nossos concidadãos, que infelizmente tem estado privados da utilização cómoda dessas vias, podem aguentar mais uma semanas ou mais um mês ou dois”.  
Justificações que não convenceram o autarca do Tortosendo. David Silva mostra-se revoltado com a situação e, em consequência disso, a junta de freguesia do Tortosendo não vai abrir as portas do seu espaço na feira de São Tiago durante este fim de semana “é uma decisão da câmara municipal neste momento abandonar o Tortosendo. No momento em que eu estou a falar se o pessoal lá estivesse a questão estaria a ser resolvida porque eles hoje não estão a trabalhar na ciclovia. Não é uma forma de chantagem mas é uma forma de mostrar o desagrado da junta de freguesia. Fomos convidados para estar com o nosso stand na feira de São Tiago e uma vez que neste momento a câmara não mostra vontade de colaborar connosco é difícil para nós colaborar com a câmara este fim de semana. É uma forma de protestarmos perante esta situação”.   

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados