RCB/TuneIn
Quarta, 18 Set 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
TRIBUNAL DA COVILHÃ ACOLHE EXPOSIÇÃO
Rádio Cova da Beira
Até final deste mês está patente ao público, no edifício do tribunal da Covilhã, a exposição “A Imprensa e a Justiça”. Trata-se de uma mostra de jornais e outros antigos documentos que foram encontrados no sótão daquele edifício, aquando da realização de obras de requalificação, e que agora chegam ao conhecimento do público em geral.
Por Nuno Miguel em 04 de Jun de 2019
São 37 exemplares de jornais numa exposição que o juiz presidente do tribunal da comarca de Castelo Branco classifica como inédita a nível nacional “esta exposição resulta do segundo espólio do nosso sótão, onde também estão junto alguns exemplares de jornais que são propriedade do senhor Francisco Geraldes e também da biblioteca municipal da Covilhã. É uma exposição única onde temos 37 números de jornais diferentes que vão desde 1864 até 1935 e onde existe um lugar de destaque para o «Notícias da Covilhã» que está a comemorar o seu centenário. Mas mais importante do que isso tenho observado uma aceitação incrível por parte das pessoas da região que agradecem o facto de nós estarmos a trazer à luz do dia todo este conhecimento que estava no sótão e que poderia ir para um caixote do lixo”.   
Uma exposição onde também se procura colocar em destaque a figura de Almeida Eusébio, antigo ministro da justiça, e que foi também um homem ligado ao jornalismo, onde desempenhou funções como director do semanário «Noticias da Covilhã» “foi um homem que nasceu em Castelo Branco, tirou o curso de direito em Coimbra e depois vem instalar a sua banca de advogado na Covilhã em 1909. Era um homem generoso, humanista, um excelente advogado e que era brilhante em termos de argumentação jurídica e chegou mesmo a desempenhar funções como ministro da justiça. Foi também um excelente jornalista que fez parte da correspondência da Covilhã e que chegou a ser director do «Noticias da Covilhã». Foi um homem ímpar a quem a Covilhã ainda não tinha feito a devida homenagem”.   
Depois da Covilhã, a exposição vai também estar patente ao público no Fundão, onde vai ser enriquecida com contributos do semanário “Jornal do Fundão” e onde vai procurar colocar também em destaque a figura de José Alves Monteiro “a nossa exposição daqui por um mês vai ser seguir para o Fundão, onde vai ser enriquecida com algum do espólio do «Jornal do Fundão» que está actualmente a ser trabalhado e depois também colocando em destaque uma figura ímpar ligado à justiça e ao jornalismo como é o caso de José Alves Monteiro. Foi procurador da república, foi o primeiro director da Policia Judiciária portuguesa mas era também um homem da cultura onde faz vários estudos arqueológicos sobre a nossa história, dando hoje o seu nome ao museu do Fundão”.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados