RCB/TuneIn
Domingo, 18 Ago 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
25 ABRIL COVILHÃ: A VISÃO DOS PARTIDOS
Rádio Cova da Beira
Foram várias as preocupações expressas pelos responsáveis das diferentes forças políticas na sessão solene dos 45 anos da “revolução dos cravos” no concelho da Covilhã.
Por Nuno Miguel em 25 de Apr de 2019

Para o líder da bancada da CDU na assembleia municipal da Covilhã considera que a descentralização de novas competências do estado central para as autarquias não é mais do que uma forma encapotada de atacar aquela que foi uma das principais conquistas do 25 de Abril; o poder local. Vítor Reis Silva afirma que “hoje continuam a vender gato por lebre e a apresentar a transferência de encargos travestidos de descentralização. PS e PSD continuam a convergir num processo de desvalorização do poder local que os tem unido ao longo de décadas de política de direita. Fala-se muito de proximidade para tentar levar ao engano as autarquias com essa descentralização mas o actual governo mantém há quatro anos a recusa de devolver as freguesias roubadas ao povo pelo governo do PSD e do CDS. Já tempo de respeitar e cumprir a constituição. É tempo de afirmar Abril. É tempo de avançar”.    

 

Por parte da bancada do PSD, Hugo Lopes considera que o movimento dos capitães que instaurou a liberdade e a democracia em Portugal não pode ser encarado como um ponto final, mas sim como um abrir de novas portas “a revolução dos cravos, o fim do serviço militar obrigatório, o acesso à educação e o direito ao voto de forma directa, universal e secreta não são o fim da história. Existem princípios e existem precipícios. Cabe-nos a nós decidir para qual deles queremos caminhar. A Covilhã, Portugal e a Europa devem guiar-se por princípios e valores democráticos na procura de um fim comum e não caminhar constantemente para o abismo. É necessário garantir a República no concelho e no país, mantendo um governo do povo, pelo povo e para o povo, e onde ser filho, sobrinho, marido ou mulher de alguém não seja uma condição para passar à frente dos outros”.      

 

João Vasco Caldeira, líder da bancada do CDS/PP sublinha que 45 anos depois do 25 de Abril há ainda muito a fazer em prol da concretização dos seus ideais “não podemos aceitar que hoje se vivam os mesmos erros e atitudes não democratas, que advém de práticas reiteradas e temores reverenciais que apesar da mudança de protagonistas se perpetuaram no tempo. Não podemos considerar que se realizou Abril quando os aparelhos e famílias partidárias, à semelhança do antigo regime, se apoderam do aparelho do estado e dos cargos de decisão. Não se realiza Abril quando não se respeitam os adversários e se boicota a sua participação nos órgãos e entidades públicas. Não se realiza Abril quando os responsáveis políticos se arrogam dos poderes, prerrogativas e benesses públicas em vez de se assumirem como os primeiros servidores de quem os elege. Não se realiza Abril quando não se respeita o interior e não o tratando com a mesma dignidade com que se trata Lisboa ou Porto”.    

 

Por parte da bancada do movimento “De Novo Covilhã”, Tereza Fazendeiro refere que foram muitas as conquistas de Abril mas ainda hoje há muito a fazer nesse domínio em prol da igualdade entre homens e mulheres. A eleita deixou por isso um desafio ao executivo para que tome medidas concretas para inverter essa situação “em primeiro lugar será necessário repensar a nomeação para os cargos executivos nas empresas municipais. Se atendermos à sua composição verificamos que os homens são a única presença. E não haverá mulheres capazes de desempenhar esses cargos numa cidade universitária que tantos bons quadros forma todos os anos? Em segundo lugar é necessário um maior apoio às redes de apoio familiar por parte da autarquia. Bem conhecemos o conceito de dupla jornada de trabalho no que concerne às mulheres. É urgente que haja um maior apoio às famílias principalmente no campo da educação. Urge tomar medidas e tornar o 25 de Abril também presente na vida e afirmação da mulher, até porque não haverá mudanças sociais enquanto as mulheres não entrarem em cena”.     

 

Já o representante da bancada do PS sublinhou o papel determinante desempenhado pelo Partido Socialista em prol da democracia e da liberdade. Pina Simão deixou ainda vários exemplos de iniciativas desenvolvidas pelo actual executivo e que ajudam a cumprir Abril no concelho da Covilhã “são muitos e bons os exemplos; a criação do provedor do munícipe que é o garante dos direitos dos nossos concidadãos. Asfaltamento de estradas municipais facilitando e desencravando as freguesias e as suas gentes. A regularização da situação laboral de muitos covilhanenses que, alguns há muitos anos, asseguram a satisfação de necessidades colectivas. A redução do preço da água, o aumento dos benefícios para os portadores do cartão social municipal, criação de espaços do cidadão em várias freguesias do concelho. A redução do desemprego no concelho da Covilhã de 3700 desempregados em 2013 para 1600 no final de 2018”.   

 

Mas passados 45 anos sobre a “revolução dos cravos”, há ainda muito a fazer para que os seus ideais sejam cumpridos. João Casteleiro deixou um forte apelo à união em prol do combate às assimetrias que ainda hoje se fazem sentir entre o litoral e o interior “há que esbater assimetrias que todos conhecemos. O diagnóstico está feito. Não vale a pena pedir mais análises ou exames e retardar o tratamento. Refiro-me ao investimento que o interior merece e a que tem direito em termos de coesão e simetria de todo do nosso todo nacional. Mas isso só é possível, se no tal espírito de Abril, alterarmos mais as mentalidades. É mais importante a cooperação entre forças políticas do que a divisão em defesa de interesses partidários. Por isso é importante que se consigam reunir consensos e se agreguem esforços, esquecendo as divergências. O interesse comum assim o exige”.  

 

Na sua intervenção, o presidente da assembleia municipal da Covilhã recordou uma das principais frases de intervenção pós 25 de Abril: “paz, pão, saúde e habitação”. Áreas que tiveram conquistas enormes mas onde há ainda muito por fazer.

 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados