RCB/TuneIn
Sexta, 23 Ago 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
PRAZO PRORROGADO
Rádio Cova da Beira
Os vereadores da oposição na câmara municipal da Covilhã abstiveram-se na votação do despacho de prorrogação de prazo para a empreitada de requalificação da escola secundária Frei Heitor Pinto. O tema esteve em cima da mesa na última reunião pública do executivo e foi justificada pelo vereador com o pelouro da administração geral e finanças com a necessidade de dar resposta a alguns pedidos de esclarecimento por parte de eventuais interessados.
Por Nuno Miguel em 02 de Feb de 2019
Um argumento que não convenceu o vereador do CDS/PP. Para Adolfo Mesquita Nunes “estas obras são urgentes, tem sido permanentemente adiadas por incompetência, do meu ponto de vista, da câmara e da forma como instruiu o pedido de financiamento, tanto é que ele voltou para trás. Com os pedidos que foram feitos pelos concorrentes, verificamos que o concurso não tem os elementos necessários para que as propostas sejam apresentadas em condições e a pergunta que deixo é se isto vai colocar em causa o financiamento e o calendário com que o presidente da câmara já aqui se comprometeu”. 
Também o vereador do movimento “De Novo Covilhã” se mostrou apreensivo com esta prorrogação de prazo. Carlos Pinto refere que “eu lamento que, depois de termos tido aqui os alunos da escola e o anúncio que foi feito, e o facto de esta obra já ter estado em concurso público não haja duas coisas fundamentais para dar seriedade a este processo. A primeira é onde é que está o contrato para fundos comunitários ou a comunicação que está garantida a verba. A segunda é saber porque é que na decorrência do primeiro concurso não ficou absolutamente arrumada a questão do projecto. Isso não é explicável. Dá ideia, numa interpretação malévola que eu não quero fazer, que isto é para ir empurrando. Já é a terceira ou quarta vez que este assunto aqui vem”.  
Na resposta, José Miguel Oliveira garante que esta prorrogação de prazo para apresentação de propostas “tem a ver com pedidos de esclarecimento solicitados pelos concorrentes e poderíamos correr o risco de ficar novamente com o concurso deserto. Nesse sentido a câmara municipal pretendeu atalhar essa situação. Quanto à questão do financiamento, esta é uma obra que faz parte do pacto da CIM, sendo que estamos a falar de três projectos que já foram recalendarizados ao nível dos fundos comunitários e não há risco de se perder nenhum financiamento”   
Uma prorrogação de prazo para entrega de propostas que abrange também a construção do novo centro de inovação social e requalificação do pátio dos escuteiros, que contempla a reabilitação do espaço público assim como de um conjunto habitacional ali existente e que pode ser complementado com áreas comerciais.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados