RCB/TuneIn
Terça, 23 Jul 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
TAXA DE DESEMPREGO NO FUNDÃO ABAIXO DOS 7%
Rádio Cova da Beira
É a mais baixa taxa de desemprego desde há muitos anos no Fundão. O concelho tem actualmente 6,5% de desempregados o que equivale a 790 pessoas inscritas no centro de emprego e formação profissional. Um número que não deixa, no entanto, tranquilo o presidente da câmara do Fundão, preocupado com o perfil do desempregado no concelho.
Por Paula Brito em 23 de Jan de 2019

“Desses 790, cerca de 300 têm mais de 55 anos, é óbvio que há uma parte dessas pessoas que estão em acordos de pré-reforma e que nem sempre são recrutáveis, é um problema. 566 Pessoas das que estão desempregadas têm o 9.º ano ou menos e 183 têm menos que a quarta classe. Temos ainda 65 empregados licenciados, aqui é um número baixíssimo.” Segundo o autarca são mais os licenciados que o concelho capta actualmente do que aqueles que saem do Fundão depois dos estudos superiores, contrariando uma tendência do passado.

Um perfil de desempregado está a obrigar as empresas a mudarem a sua estratégia de recrutamento, e a ter em linha de conta na análise aos 27 processos de investimento que o município tem em aberto para o concelho “estamos num pico, e alguns de grande dimensão, e utilizamos muitas vezes na resposta a esses dossiers de investimento, o perfil do desempregado que temos, que pessoas estão à partida disponíveis para uma primeira fase de recrutamento.”

Paulo Fernandes falava na reunião com empresários promovida pela ACIF, onde o presidente da câmara partilhou outra preocupação. O Fundão, nos próximos três anos vai necessitar de 300 fogos para arrendamento e existe apenas uma centena em licenciamento.

“Há uma falha de mercado brutal, que até tem uma política pública que lhe reduz brutalmente o risco, porque é que, já não digo nas 300, não estamos nas 200? Nós somos uma terra de empreendedores, podemos não ter capital, essa é uma questão, e então em vez de reunir trimestralmente com fundo de investimento reúno mensalmente. Eu já ando a reunir e a procurar por no mapa investimentos mais intensivos na componente habitacional.”   

O autarca admite que preferia que fossem os fundanenses a investir nesta estratégia de recuperação de casas para aluguer. “Eu preferia que houvesse aqui, o que está a acontecer com a zona antiga, esta capilaridade em que as pessoas têm uma casa de família, compram outra, recuperam, isto era o ideal porque espalhava o que é a mais valia destas questões.”


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados