RCB/TuneIn
Sexta, 18 Jan 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
CANDIDATURA EQUACIONADA
Rádio Cova da Beira
A empresa municipal de Belmonte pode vir a apresentar uma candidatura √† Unesco para que o cripto-judaismo possa vir a ser reconhecido como patrim√≥nio imaterial daquela organiza√ß√£o. A ideia faz parte do plano de actividades da EMPDS, que foi aprovado na √ļltima reuni√£o da assembleia municipal, mas cuja concretiza√ß√£o levanta d√ļvidas √† bancada da coliga√ß√£o entre o PSD e o MPT.
Por Nuno Miguel em 04 de Jan de 2019
Facto que levou Luís Elvas a questionar directamente o presidente da autarquia sobre quais os passos concretos que já foram dados nesse sentido “os documentos que nos foram enviados referem que vai ser continuado o estudo e a recolha documental com uma equipa para a apresentação da candidatura «o segredo de Belmonte» à Unesco, potenciando o património cultural e imaterial do cripto-judaismo. Pode dar à assembleia alguma explicação sobre isto? Há comissão científica? Há comissão de honra? Há alguém que esteja efectivamente a trabalhar sobre isto ou é apenas algo para ficar bonito no plano de actividades. Gostaríamos de saber qual o ponto de situação e saber se estamos perante uma proposta honesta ou não”.  
Na resposta, António Dias Rocha admite que existe interesse em poder avançar com a apresentação dessa candidatura, mas sublinha que não é um processo para desenvolver a curto prazo “se não fosse uma proposta honesta não estaria no plano de actividades da empresa. Naturalmente que o presidente da empresa e o conselho de administração estão a pensar em contactos que tem desenvolvido com a rede de judiarias no sentido de poder apresentar essa candidatura no futuro. Há um estudo que está a ser feito e no seu devido tempo será apresentado sobre o segredo de Belmonte. Ninguém fala numa comissão científica. Apenas é referida a recolha documental com uma equipa para a candidatura”. Uma intervenção que motivou uma observação de Luís Elvas “sem uma comissão científica nada pode ser feito nesse sentido”, ao que António Dias Rocha respondeu que “ainda não se chegou a esse ponto”. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados