RCB/TuneIn
Quarta, 19 Jun 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
EXECUÇÃO ORÇAMENTAL “TEM DADOS PREOCUPANTES”
Rádio Cova da Beira
A bancada da coligação entre o PSD e o MPT na assembleia municipal de Belmonte mostra-se preocupada com alguns dos indicadores da execução orçamental do primeiro semestre de 2018. A questão esteve em cima da mesa na última reunião do órgão e onde José Carlos Gonçalves não escondeu alguma preocupação com a dívida de cinco milhões e meio de euros ao sistema multimunicipal das “Águas do Tejo” a par da diminuição da capacidade de endividamento por parte da autarquia.
Por Nuno Miguel em 31 de Dec de 2018
“A margem dos limites de endividamento desta câmara municipal está dentro dos limites previstos pela lei mas começa a ser muito curta. Estamos a falar em 572 mil euros. É esta a capacidade de endividamento disponível da câmara o que é francamente pouco. Para além disso continua-nos a preocupar muito a dívida ao sistema de águas, estamos a falar de cinco milhões e meio de euros o que é um valor muito significativo. Sabemos que esta não é uma questão exclusiva de Belmonte, há outros municípios que estão na nossa situação, mas é a situação do nosso concelho que nos preocupa particularmente”.    
Na resposta o presidente da câmara de Belmonte sublinhou que em relação à capacidade de endividamento o relatório de execução orçamental mostra que o município está a cumprir a lei. Já quanto à dívida às “Águas do Tejo”, António Dias Rocha refere que o processo negocial vai intensificar-se em 2019 e acredita que vai ser possível encontrar uma boa solução para as duas partes “para o início de 2019 está prevista uma reunião entre os municípios e as «Águas de Portugal». Saiu recentemente um documento em que o governo aprovou um diploma para regularização das dívidas dos municípios às águas. Vamos ver o que vai acontecer. Mas também lhe quero dizer que dos cinco milhões e meio há uma verba muito significativa que nós estamos a reclamar, que dizem respeito às nossas infraestruturas antigas e também relativo às infraestruturas que estavam previstas realizar e Belmonte e que não foram feitas. E é certo que alguém tem que as fazer”.    
Uma reunião em que foi aprovada, com o voto contra da coligação PSD/MPT, a contracção de um empréstimo bancário a curto prazo no valor de 500 mil euros. Uma proposta justificada por António Dias Rocha com a necessidade de fazer face a alguns encargos de tesouraria no primeiro trimestre de 2019.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados