RCB/TuneIn
Domingo, 18 Nov 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
“E SE PARÁSSEMOS DE SOBREVIVER?”
Rádio Cova da Beira
É este o título da mais recente obra de André Barata, que foi apresentada na Covilhã na sede da associação “Coolabora” e onde o autor pretende lançar um conjunto de reflexões sobre o que considera ser a ditadura do tempo.
Por Nuno Miguel em 03 de Nov de 2018
André Barata sublinha que no actual momento as pessoas tem estão cada vez mais absorvidas pela sua vida profissional e familiar, com compromissos assumidos em cadeia e que acaba por deixar as pessoas como reféns do tempo “somos reféns de uma certa concepção de tempo, que é um tempo sem fissuras, muito acelerado e que serve de medida a tudo. Isso tem de ser questionado. Precisamos de uma outra concepção de tempo. Este tempo não é natural. São estas algumas das perguntas que este livro deixa sendo que ele foi escrito de uma forma que procura chegar ao público em geral. Não é um trabalho académico mas sim um livro que procura chegar às pessoas e fazê-las reflectir sobre esta matéria”.    
O docente da UBI acrescenta que este livro procura ainda apontar pistas sobre a forma de a sociedade resgatar, de forma colectiva, uma nova forma de tempo “quando eu digo que é uma escolha colectiva isso significa que temos de encontrar meios para redistribuir tempo. Há muitas formas pelas quais o tempo tem de ser resgatado. Quando o tempo é tão acelerado como agora, ficamos com a impressão que estamos a viver muitas coisas ao mesmo tempo e muito depressa mas na verdade estamos a viver poucas coisas e apenas a passar por elas. Por isso nas nossas coisas colectivas, nas nossas políticas, na nossa maneira de decidir como vivemos juntos, encontrar formas de resgatar uma nova concepção, onde se trabalhe menos e onde exista alguma dissipação de tempo”.    Na apresentação desta obra, André Barata compara o tempo “a um nadador que não sabe nadar muito bem e que está constantemente a dar braçadas para sobreviver. Nem sequer há tempo para pensar no futuro, porque esse futuro é logo a braçada seguinte”.   

  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados