RCB/TuneIn
Quarta, 18 Set 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
DEPOIS DE NOVA YORK JOSÉ SIMÃO QUER EXPOR EM PARIS
Rádio Cova da Beira
Madeiras da região inspiram o escultor José Simão que está a preparar uma exposição de joalharia que vai levar em Dezembro a Nova York, naquela que será a sua primeira exposição “a solo” na Medialia Gallery, no centro de Manhattan. Depois de Nova York, o escultor albicastrense quer conquistar Paris.
Por Paula Brito em 30 de Aug de 2018
“Esta exposição será importante se eu der seguimento, tentar outras galerias, noutras capitais onde faça sentido estar, porque em determinados sítios se não houver determinado poder de compra também não vão comprar arte. A próxima cidade que eu estou a pensar e onde já tenho uma galeria identificada será Paris.” Londres e Estocolmo também fazem parte dos planos do escultor que está, para já, em pleno processo de criação.

Aos Estados Unidos vai levar pelo menos uma centena de peças feitas de, e a partir da madeira da região como giesta, esteva, urze, cerejeira, pessegueiro ou oliveira.

“Essas madeiras são bonitas e nós muitas vezes quando olhamos para elas não vemos o potencial, depois de as polir e trabalhar de determinada forma elas começam a aparecer. No fundo, só temos que descobrir o que está dentro de cada coisa e trazê-las para o mundo.”

Trazê-las para o mundo em forma de brincos, colares, pendões, braceletes, ganchos para o cabelo, pulseiras, ou pregadeiras. Jóias naturais a que o escultor também aplica pedras preciosas que encontra no manancial de matéria-prima que é a flora da região.

“Por exemplo trabalhar com cápsulas de tília, que é uma cápsula pequenina onde está a semente e que podem ser rubis, podem ser pedras preciosas feitas com materiais naturais, é claro que é preciso ter preocupações como ser durável, ter condições para estar no corpo de alguém, resistir ao tempo. Outro exemplo são as cápsulas das bolotas, é incrível tanto por dentro como por fora, a riqueza plástica daquilo.”

A exposição que José Simão vai levar a Nova York tem assim a dupla vantagem de promover a região e ser amiga do planeta.

“É um projecto que pode ser divulgador do que temos no nosso território e há outro conceito que baliza este projecto que é um sentimento de relação com o mundo, trabalharmos com recursos locais que não precisam de grandes transformações em termos energéticos e é isso que eu estou a fazer.”

A exposição de joalharia estará no centro de Manhanttan durante todo o mês de Dezembro. Depois disso, José Simão quer aventurar-se na capital europeia da moda e do glamour e expor a sua arte em Paris.

Na foto, a capa da revista “Glamour”, da Bulgária, em Agosto de 2014, com as jóias de madeira de José Simão. Foi a primeira incursão do escultor albicastrense na joalharia a partir da madeira, um trabalho de 50 peças que realizou para um desfile da estilista Alexandra Moura.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados