RCB/TuneIn
Quinta, 27 Fev 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
ALCAINS - 5 P?VOA RIO DE MOINHOS - 0 RESULTADO DIZ TUDO ....
A supremacia canarinha foi t?o evidente que o resultado at? poderia ser mais dilatado. Marcando o primeiro golo logo ao segundo minuto, o Alcains partiu depois para uma exibi??o convincente e, o um zero ao intervalo n?o espelhava o que se tinha passado em campo at? ent?o,tal foi o caudal ofensivo dos donos do terreno! Na segunda metade, a? sim, a turma de Nuno Fonseca foi impar?vel.
Por Jo√£o Perquilhas em 27 de Jan de 2008

Um derby é sempre , ou quase sempre , um jogo onde o resultado final é imprevisivel. Mas, face ao campeonato que ambas as equipas vêem realizando, a vitória canarinha era mais que esperada. A equipa de António Morais ocupa o último lugar da tabela classificativa, denota muitas limitações em termos atacantes, e defrontava, não o esqueçamos, o líder do campeonato, pelo que a sua tarefa se revelava hercúlea. Quando Vieira, de livre directo, logo ao segundo minuto, marcou o primeiro golo do jogo, logo se percebeu que o epílogo do mesmo estava traçado . E isso foi visivel porque o caudal ofensivo dos da casa intensificou-se de tal forma que os forasteiros não conseguiram reagir ao tento sofrido, vendo mesmo o seu adversário criar sucessivos lances de golo feito, que, no entanto, íam sendo desperdiçados. Aos 5` Constantino obrigou Tiago a defesa dificil, Manoel quatro minutos depois rematou ao poste, aos 14 seria Davide a desperdiçar, quando em boa posição rematou torto e, aos 19`foi a vez de Quinzinho rematar forte para Tiago se opôr com mais uma boa defesa e, assim sendo, o resultado não se alteraria até ao intervalo.

Para a segunda metade Nuno Fonseca terá certamente pedido maior concentração aos seus jogadores na zona de finalização e estes responderam afirmativo ao seu técnico. Manoel, quatro minutos após o reatamento rematou estrondosamente à trave, mas, aos 54 minutos, Quinzinho, com um belo lance individual, nao esteve pelos ajustes e marcou um belo golo, alcançando então, uma vantagem mais próxima e realista do que se passava em campo. Doze minutos depois Manoel arrancou uma grande penalidade, que de facto não existiu, acabando por provocar a expulsão injusta de João Vitor e a equipa da Póvoa nunca mais foi a mesma. O avançado brasileiro chamado à conversão do penalty não desperdiçou fazendo o terceiro golo para o Alcains e, aos 80` voltaria a marcar da mesma forma, mas desta vez, a falta de Flávio sobre Quinzinho foi mais que evidente. O jogo não terminaria sem novo golo para os lideres da classificação. Seria novamente Manoel a marcar, conseguindo o hat-trick, desta vez ao corresponder da melhor forma a um bom trabalho de Hugo Inácio pelo lado direito .

Foi, em suma, uma goleada de um Alcains em tudo superior a uma Póvoa muito limitada em termos ofensivos e que ao longo dos noventa minutos não conseguiu criar uma verdadeira situação de perigo para as redes de Manuel Silva, que passou uma tarde descansadíssima .

A arbitragem de Claudio Santos teve alguns erros, o maior dos quais ao assinalar penalty de João Vitor sobre Manoel e consequentemente expulsar o defesa visitante por acumulação de cartolinas amarelas, quando este, naquele lance, jogou somente o esférico .

 

 

 

 

 

 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados