RCB/TuneIn
Sexta, 20 Jul 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
“PORTARIA PARVA E ESTÚPIDA”
Rádio Cova da Beira
O coordenador da união de sindicatos do distrito de Castelo Branco exige ao governo que avance com urgência para a revisão da portaria 296 de 2016 que regula o apoio dado pelo estado às provas desportivas no que respeita ao policiamento.
Por Nuno Miguel em 28 de Apr de 2018
Em conferência de imprensa, Luís Garra refere que as alterações introduzidas penalizam claramente as provas de cariz popular, como é o caso da corrida do 1º de Maio que anualmente se realiza na Covilhã, em detrimento das competições profissionais “as provas de cariz popular não estão abrangidas pela comparticipação do estado e deixaram de ser abrangidas pela tabela B e passaram a ser pela tabela A. As provas profissionais continuam a ser abrangidas pela tabela B e pela comparticipação do estado em 50 por cento. Quer isto dizer que o negócio do desporto tem comparticipação e o desporto de cariz popular deixou de o ter”.
No ano passado a união de sindicatos pagou 774 euros à PSP pelo policiamento da prova e o valor este ano vai subir para os 2114. Importa por isso que o governo e os partidos políticos com assento na assembleia da república tomem medidas urgentes para inverter a situação “esta portaria é estúpida, é parva e tem de ser urgentemente alterada. È bom que fique claro que nem sequer é da «troika», é de 2016 e foi já este governo que fez esta portaria. Consideramos que o governo deve alterá-la por forma a salvaguardar as provas de cariz popular e os partidos políticos com assento na assembleia da república tem a estrita obrigação de tomar as iniciativas legislativas que ajudem a corrigir uma estupidez e uma parvoíce”. 
O mesmo cenário não se coloca em relação à marcha pedestre de homenagem ao trabalhador, uma vez que é considerada como uma iniciativa de cariz sindical. Por isso este ano a união de sindicatos vai pagar o valor estipulado e, se não houver alterações legislativas, vai equacionar a forma como a prova pode decorrer no próximo ano “a marcha pedestre é uma iniciativa de cariz sindical que pode perfeitamente ser legalizada nos termos em que as organizações sindicais podem convocar manifestações, concentrações, marchas ou desfiles. É óbvio que também não está fora de hipótese que nós deixemos de legalizar a corrida enquanto corrida e passemos a legalizá-la como uma manifestação porque ninguém pode impedir que numa manifestação vão pessoas a correr. Como eu costumo dizer, para cão, cão e meio”. 
Depois das comemorações do próximo dia do trabalhador, a união de sindicatos mostra-se ainda disponível para reunir com as restantes associações do distrito que realizam provas de atletismo de cariz popular com o objectivo de ser tomada uma posição conjunta em relação a esta matéria.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados