RCB/TuneIn
Sexta, 21 Set 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
TODO O PROCESSO “É SURREAL”
Rádio Cova da Beira
Os eleitos do CDS/PP na assembleia da união de freguesias da Covilhã e do Canhoso afirmam que “a capacidade do executivo da junta de nos surpreender, pelas piores razões, não tem limites. Desta vez e à semelhança de muitas outras levianas tomadas de atitude o executivo anunciou, sem hesitação e com toda a pompa e circunstância, a criação de duas associações que apresenta como instituições particulares de solidariedade social”.
Por Nuno Miguel em 05 de Apr de 2018
Em comunicado, os eleitos sublinham que “como se esta ideia peregrina por si só não bastasse, os fundadores destas associações e outorgantes das escrituras de constituição, são o presidente da junta, o secretário da mesma e um membro da assembleia de freguesia, tendo tais associações como sedes e onde certamente serão instaladas, o edifício da sede da união de freguesias, na Covilhã e o edifício da sede da extinta junta do Canhoso, sem que para isso tenha existido o consentimento prévio por parte da assembleia de freguesia por forma a ceder as instalações para esta finalidade”.
José Horta, Sandra Sousa e Sérgio Sousa consideram que todo este processo é “surreal” e questionam se “por detrás deste folclore politica não está a necessidade absoluta por parte do presidente da união de freguesias em assumir um protagonismo politica exagerado” e de “procurar fazer frente à câmara municipal da Covilhã”.
Os eleitos interrogam ainda o executivo da união de freguesias se “a razoabilidade desta acção, que prevê a construção de creches e lares, tanto na Covilhã como no Canhoso é legitimada pelas questões financeiras sensíveis que a envolvem, ou será que elas já estão asseguradas por um ou mais particulares?”. Para além disso a bancada do CDS questiona Carlos Martins se não fica comprometido o centro de dia prometido à liga dos amigos dos Penedos Altos.
De acordo com os eleitos do CDS/PP na assembleia da união de freguesias “esta não é de todo a nossa forma de trabalhar, nem de pensar a Covilhã e a união de freguesias. Não  podemos, por uma questão de consciência, apoiar medidas mal estruturadas, mal pensadas, de difícil concretização e que poderão colocar em causa a equidade e igualdade de tratamento que todas as instituições devem merecer por parte da junta de freguesia”, lamentando que “os cidadãos da união de freguesias estejam a ser iludidos desta maneira e que as IPSS da freguesia estejam a ser descuradas”. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados