RCB/TuneIn
Terça, 11 Dez 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
CARLOS PINTO VAI SER OUVIDO
Rádio Cova da Beira
O ex-presidente da c√Ęmara da Covilh√£ vai ser ouvido na pr√≥xima sess√£o do julgamento em que V√≠tor Pereira e Santos Silva, actual presidente da c√Ęmara e ex-presidente da assembleia municipal da Covilh√£, est√£o a ser julgados, em co-autoria, pelo crime de prevarica√ß√£o de titular de cargo pol√≠tico.
Por Paula Brito em 14 de Mar de 2018

Carlos Pinto constitui-se assistente no processo, e ontem, o advogado que o representa, apresentou ao tribunal um requerimento a solicitar que Carlos Pinto seja ouvido por ter conhecimento de “factos relevantes para o apuramento da verdade”.

O facto de Vítor Pereira se ter referido ao protocolo assinado em 1999 entre as familiares de Santos Silva e a câmara da Covilhã, então presidida por Carlos Pinto, aludindo a “um tratamento desfavorável aos familiares de Santos Silva”, e ainda a pergunta que a juíza colocou a Vítor Pereira e que este remeteu para o ex- autarca sobre os motivos porque não foi feita a expropriação dos terrenos, são outros dos argumentos que constam do requerimento.

Como nem o Ministério Público, nem os advogados dos arguidos se opuseram a que Carlos Pinto fosse ouvido, a juíza deferiu o requerimento. Assim, o ex-autarca vai ser ouvido no próximo dia 20 de Março, logo depois de Santos Silva, já que o primeiro dia do julgamento ficou marcado pela audição de Vítor Pereira que esteve mais de quatro horas a prestar declarações ao tribunal.

Durante a tarde, Vítor Pereira voltou a ouvir as mesmas perguntas e, em alguns casos, a acrescentar algo às respostas já dadas durante a manhã. Para justificar o acordo, o autarca disse que a esposa e cunhada de Santos Silva foram “enganadas e injustiçadas” porque terão sofrido “pressões para assinar o protocolo”, por parte do seu antecessor, “um litigante compulsivo”, referiu ao tribunal Vítor Pereira recordando o número elevado de processos judiciais que encontrou na câmara da Covilhã quando tomou posse “uma conflitualidade judicial inigualável”.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados