RCB/TuneIn
Domingo, 24 Jun 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
CHUVA DE MOÇÕES NA AMC
Rádio Cova da Beira
Entre moções de repúdio, de louvor e de pesar, foram 11 as iniciativas que deram entrada na mesa da assembleia municipal da Covilhã (AMC) que esteve ontem reunida durante seis horas e meia.
Por Paula Brito em 08 de Mar de 2018

A CDU entregou uma moção, aprovada por unanimidade, sobre a reposição das Auto-estradas Sem Custos para o Utilizador (SCUT). As declarações do ministro do planeamento e das infra-estruturas, na passada segunda-feira na Covilhã, sobre o tema não são boas notícias “o que nos obriga a aumentar o protesto e a exigência de uma auto-estrada sem portagem”, disse o líder da Coligação Democrática Unitária, Vítor Reis Silva.

Aprovada por unanimidade foi também a moção apresentada por Luís Fiadeiro, de louvor aos dois covilhanenses que integraram a comitiva da equipa de Portugal, campeã europeia de futsal: José Luís Mendes, como treinador adjunto e António Fonseca como enfermeiro chefe “dois excelentes profissionais que com o seu trabalho, dedicação e entrega muito contribuíram para o sucesso da equipa portuguesa”, disse o líder do movimento “De Novo Covilhã”.

As comemorações dos 44 anos da revolução de Abril, que este ano se assinalam, estiveram na base de outra moção apresentada pela bancada da CDU que recomenda à câmara da Covilhã a promoção das comemorações em todo o concelho, envolvendo todos, e a constituição de uma comissão organizadora alargada e uma comissão executiva “que tenham por base a divulgação e necessidade de manutenção e defesa dos princípios e valores da Constituição”. Uma moção aprovada por maioria com duas abstenções.

Por maioria foi também aprovada a moção apresentada pela líder da bancada do CDS-PP. Assunção Vaz Patto apresentou uma moção de apoio a todas as iniciativas que o governo está a desenvolver de suporte à comunidade portuguesa na Venezuela.

A segunda moção do CDS-PP, de repúdio à política ambiental do município “que está a transformar a Covilhã num aglomerado de betão e cimento”, foi também a única chumbada pela assembleia.

Pedro Manquinho, da bancada da CDU, apresentou duas moções, aprovadas por maioria.  A primeira, a propósito do dia internacional da mulher que mais de um século depois, “mantem actuais os objectivos que estiveram na base da sua instituição”. A segunda moção foi de saudação ao MURPI que este ano comemora 40 anos, “a primeira organização representativa dos reformados pensionistas e idosos, na defesa dos seus direitos, englobando presentemente 140 associações de reformados, várias do concelho da Covilhã, e mais de 70 mil associados em todo o país”.

Com 11 abstenções, foi aprovada a moção apresentada por Hélio Fazendeiro, líder da bancada do PS, de saudação ao governo, em particular ao ministro da saúde, pela autorização da unidade de cardiologia no Centro Hospitalar da Cova da Beira.

Por maioria foi também aprovada a moção apresentada por Luís Morais, presidente da União de freguesias de Barco e Coutada, contra a exploração mineira na Argemela.

O voto de louvor a Elisa Pinheiro, pelo seu desempenho enquanto provedora do munícipe, apresentado pelo PSD foi aprovado por maioria com um voto contra, de Fausto Batista, da bandada do movimento “De novo Covilhã” uma vez que já tinha sido aprovado um voto de louvor no anterior mandato, quando Elisa Pinheiro desempenhou essas funções.

Unânime foi o voto de pesar e o minuto de silêncio guardado em memória de José Gil Barreiros que foi durante mais de 40 anos massagista no SCC e faleceu em Dezembro último.   


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados