RCB/TuneIn
Domingo, 24 Jun 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
LAGAR ROMANO EM MEIMOA AO ABANDONO
Rádio Cova da Beira
Um lagar romano, encontrado em 2006, numa exploração agrícola na Meimoa, levou António Cabanas à última reunião pública da câmara de Penamacor. O ex-autarca e proprietário do terreno onde se encontra o achado arqueológico, acusa a câmara de desleixar este património.
Por Paula Brito em 26 de Feb de 2018
 

Alvo de escavações após a descoberta, o local, assim que pararam as escavações, foi votado ao abandono até aos dias de hoje como descreveu António Cabanas no período reservado ao público.

“As estruturas foram cobertas com geotêxtil e plástico preto para que não se degradassem com as intempéries, mas esses plásticos foram pelo sol e pelo gelo e estão a voar pelo sítio, alguns já eu fui apanhando, também puseram alguns sacos com terra para segurar os plásticos que entretanto já se degradaram também estando a terra toda por ali espalhada.”

Para além do prejuízo pessoal, António Cabanas lamenta o desleixo a que o município votou este património e diz-se indignado pela forma como foi ignorado nos últimos quatro anos pela responsável da pasta.

“Há sobretudo aqui uma questão de desleixo em relação à história, é uma estrutura interessante porque não há muitas, nem sei se há outra deste período que foi datada do séc. I AC, e penso que a câmara devia tomar medidas. O que é preocupante é a autarquia assobiar para o lado durante quatro anos, porque eu falei com a vereadora várias vezes, ela disse que ia tratar do assunto e nunca tratou, não sei se era por eu ter sido parte do anterior executivo, fui tratado dessa forma e venho aqui apresentar a minha indignação.”

Uma indignação acompanhada de um discriminação que o ex-autarca estende às instituições que preside na freguesia de Meimoa, como é o caso do centro de dia e do grupo de cantares.

“Estas duas colectividades nunca receberam um cêntimo da autarquia, apesar de, no caso do grupo de cantares, ter feito trabalhos para a autarquia como animar a vila madeiro e feiras de Verão, nunca recebemos um cêntimo apesar de o termos proposto e pedido financiamentos e promovido eventos, é discriminatório.”

Quanto ao lagar romano, o presidente da câmara de Penamacor admitiu desconhecimento sobre o local que vai visitar na primeira semana de Março. António Beites lembra, no entanto, que há muito que as escavações estão paradas.

“Há muitos anos que está parada, não parou nem bloqueou há quatro anos atrás, estava parada há bastante tempo. Eu não conheço, aliás é uma propriedade privada que terei oportunidade de agora visitar com os técnicos da autarquia  e depois, em função dessa visita e da análise feita ao local, teremos que analisar o potencial arqueológico e face a essa conclusão decidir sobre a intervenção a efectuar.”

Quanto à discriminação, o autarca garante que todas as associações foram tratadas da mesma forma, numa referência à participação das associações quer na iniciativa “Penamacor Vila Madeiro” quer na animação da feira, exemplos referidos por António Cabanas, no final da reunião, à comunicação social.   


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados