RCB/TuneIn
Quarta, 21 Fev 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
“PROCESSO ESTÁ AINDA BASTANTE ATRASADO NO DISTRITO”
Rádio Cova da Beira
As câmaras da Covilhã e do Fundão são os municípios da região onde o processo de regularização de trabalhadores precários na administração pública se encontra mais adiantado. A afirmação feita em conferência de imprensa por Isabel Pires, deputada do Bloco de Esquerda na Assembleia da República, no final de uma jornada de trabalho dedicada à região e em que as questões da precariedade e do assédio moral foram os principais temas em destaque.
Por Nuno Miguel em 13 de Feb de 2018
O prazo para a conclusão do processo de regularização termina no próximo dia cinco de Maio e a deputada do BE refere que, à semelhança do que sucede em todo o país, também no distrito de Castelo Branco o processo se encontra bastante atrasado “sabemos bem que esse processo de regularização de precários do estado tem tido algumas dificuldades. Há atrasos ao nível de prazos e outras questões que não estão a decorrer com a celeridade que era necessária. Também nas autarquias locais a nosso ver a situação é preocupante e hoje tivemos oportunidade de perceber qual é o ponto de situação em relação ao distrito. Á semelhança de outros pontos do país o processo está ainda bastante atrasado e é nos municípios da Covilhã e do Fundão que o caso está mais adiantado”  
Para minimizar esse atraso e garantir que os prazos são cumpridos, o Bloco de Esquerda acaba de avançar com a apresentação de um conjunto de três propostas com o intuito de regularizar situações de precariedade que há muitos anos aguardam por uma resposta “em primeiro lugar devem ser tornados públicos os dados recolhidos pela DGAL, uma vez que a sua avaliação tem de estar concluída até final de Fevereiro. Em segundo lugar os processos de avaliação que estão a decorrer no estado devem decorrer de uma forma semelhante nas autarquias e no sector empresarial local onde os representantes dos trabalhadores ou os seus sindicatos também sejam chamados a pronunciar-se. Por fim, garantir que durante todo este processo os trabalhadores são protegidos em relação a eventuais casos de despedimento”. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados