RCB/TuneIn
Sexta, 19 Jan 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
ASSEMBLEIA DE FREGUESIA LAMENTA POSTURA DO PRESIDENTE DA CMC
Rádio Cova da Beira
Assembleia de Freguesia da União de Freguesias Covilhã-Canhoso aprova, por unanimidade, uma moção que lamenta que o presidente da Câmara Municipal da Covilhã apenas tenha reunido uma vez o presidente daquela União de Freguesias, dos muitos pedidos efectuados. A assembleia está ainda contra o valor do acordo de execução decidido pelo município.
Por Paulo Pinheiro em 05 de Jan de 2018

A moção, foi uma das cerca de uma dezena que a bancada do Partido Socialista apresentou na última sessão do órgão.

Pedro Pinto, da bancada do PS, nega que exista divisão entre os eleitos na assembleia e a maioria na Câmara da Covilhã, mas os interesses dos munícipes da União têm que ser defendidos

“Nada nos move contra a Câmara, mas na Assembleia de Freguesia estamos a defender os interesses dos nossos eleitores. Ao contrário do que refere a oposição não há divisão no PS, agora para os interesses dos nossos eleitores deve haver um diálogo entre o presidente da CMC e a junta de freguesia”, sustenta.

 

Carlos Martins, que por diversas vezes na reunião lamentou o facto de não ter recebido resposta aos ofícios enviados ao presidente da autarquia covilhanense, não tem dúvidas que há na câmara nem não queira o sucesso da junta e o do seu presidente

“Sinto que alguns elementos da Câmara Municipal da Covilhã não querem colaborar com o presidente da junta e com a União de Freguesias Covilhã / Canhoso. Ao longo dos anos, essas pessoas acham que sou uma sombra- Eles sabem quem são”, declara.

 

Os partidos e movimentos da oposição é que não perderam a oportunidade para destacar o divisionismo reinante no Partido Socialista da Covilhã, como é o caso do Vítor Tomás Ferreira do Movimento “De Novo Covilhã/Canhoso”:

“Já toda a gente percebeu o que se passa e que o PS na Covilhã está completamente dividido. Isto era expectável e, por isso, quando vimos os resultados das eleições ficámos estupefactos porque já sabíamos destas guerrinhas. O que aqui se passou foi que elementos do PS votaram contra os elementos socialistas na CMC e apresentaram moções contra o Partido Socialista”, frisa.

Jorge Saraiva, do Partido Social Democrata, não ficou surpreso com a moção apresentada pelo PS

“Surpreso não estou porque quando as pessoas fazem muitas promessas e depois têm dificuldade em materializa-las, e continuam a pensar que a junta é única e singular perante a câmara, torna-se difícil existir amor perpétuo. Temos que acompanhar a situação”, refere.

 

Também sem surpresa, os eleitos do CDS/PP votaram favoravelmente a moção

“Não ficámos surpreendidos porque sabemos quais são as relações institucionais e pessoais entre ambos os presidentes, sabemos qual o foi o passado do presidente da junta da União de Freguesias Covilhã/Canhoso enquanto vereador da CMC. É obvio que há uma divisão interna no PS , mas esse é um problema deles que ainda assim nos deixa perplexos”, remata José Horta.

Jorge Fael entende ser inusitada a moção, mas defende que ela surge na sequência do afastamento de Carlos Martins da lista socialista à CMC, nas últimas eleições autárquicas. ``e uma moção mais para consumo interno no PS, refere o membro da Coligação Democrática Unitária

“Todo o processo que levou ao afastamento do actual presidente da junta de freguesia, à altura vereador da CMC, que foi perdendo espaço, atribuições e competências e esta moção é mais para dentro do PS , uma moção partidária  que política”, argumenta

A Assembleia de Freguesia aprovou também moções pela reposição das freguesias extintas, pela abolição das portagens na A23 e A25, e de regozijo pelo crescimento sustentado de alunos na Universidade da Beira Interior e de preocupação com o modelo de financiamento do Governo para as universidades que penaliza a UBI.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados