RCB/TuneIn
Sexta, 17 Nov 2017
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
FUNDÃO: CENTRAL DE BIOMASSA PRONTA EM 2019
Rádio Cova da Beira
Central de biomassa no Fundão quando estiver em velocidade cruzeiro vai produzir energia suficiente para abastecer 60 mil habitações o que significa que o Fundão será abastecido por energia verde. Com uma capacidade instalada de 15 MW a central já foi adjudicada e segundo o promotor do projecto, Carlos Alegria, estará pronta em Março de 2019.
Por Paula Brito em 04 de Nov de 2017
 

“Neste momento, o projecto está a andar, já foi adjudicado, há um construtor que vai entregar chave na mão e em princípio estará em funcionar em Março de 2019. Para o ano, já começamos a fazer testes, mas em fase cruzeiro lá para Março de 2019. Os equipamentos estão todos adjudicados, metade do investimento já foi gasto na compra dos grandes equipamentos que estão a ser fabricados no estrangeiro e começam a chegar em meados do ano que vem. Está tudo a correr dentro do plano estipulado desde o início e esperamos que corra bem até ao fim”.

O empresário que adquiriu a licença do projecto do Fundão já detém a central de biomassa de Oliveira de Azeméis, uma experiência muito positiva que acredita se vai replicar nesta região

“Neste momento tenho 60 madeireiros a entregar-me biomassa. No período de crise que tivemos apareciam jovens que viam outros madeireiros a fazer e chegavam lá a pedir 25 euros pela tonelada que levavam. No dia seguinte levavam duas toneladas (50 euros). Passado um mês já transportavam um camião e, desta forma, criaram postos de trabalho. Actualmente, os jovens estão a trabalhar, a criar riqueza, a família fixou-se e estou convencido que é isso que vai acontecer aqui”.

Segundo Carlos Alegria a central de Biomassa que está a ser instalada na zona industrial do Fundão, vai criar 350 postos de trabalho entre directos e indirectos

“Na central ficarão entre 25 a 30, mas há muito indirectos desde a manutenção, a limpeza da floresta, fazer a rechega desse material, transporte, manutenção de camiões, entre outras tarefas. A experiência que temos na nossa (Oliveira do Hospital) anda nos 250 aqui como é ligeiramente maior estaremos a falar de 350 pessoas aqui da região para fazer essa biomassa que é a única que é paga. Ninguém paga o vento, o sol, a água a única que paga a matéria-prima é a biomassa porque alguém tem que a trazer”.

Apesar dos incêndios do último Verão, o promotor do projecto acredita que a região terá capacidade suficiente para abastecer a central do Fundão

“Vamos precisar de muita biomassa. 150 mil toneladas de biomassa, ou seja, 600 toneladas por dia, são 20 camiões diariamente a entrar e a sair, não é brincadeira nenhuma. Vamos ter que angariar a biomassa nesta região, infelizmente flagelada pelos incêndios. É uma preocupação que temos, mas estou convencido que há biomassa suficiente nesta zona. Desde o início, a minha ideia, que tenho transmitido ao Governo, é que estas centrais não devem ir buscar para além de 50 quilómetros essa biomassa. É óbvio que uma situação como esta que se está aqui a passar é preocupante, mas vamos ter que ir buscar mais longe…não sabemos”.

Carlos Alegria falava na conferência “Biomassa como factor de desenvolvimento sustentável da floresta” que decorreu na escola profissional que organizou em parceria com o município e o jornal do Fundão a iniciativa.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2017 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados