RCB/TuneIn
Sexta, 24 Nov 2017
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
LIVRO REFLECTE SOBRE UTILIZAÇÃO DOS ECRÃS
Rádio Cova da Beira
O cyberbulling aumenta em três vezes mais o risco de suicídio nos jovens que são vítimas deste novo tipo de bulling. O dado avançado à RCB por Rosário Carmona e Costa autora do livro “I agora? Liberte os seus filhos da dependência dos ecrãs” que a psicóloga clínica especializada em psicologia da Web e cyberbulling apresentou no Fundão no âmbito da semana do bebé promovida pela Centro Hospitalar da Cova da Beira.
Por Paula Brito em 14 de Oct de 2017

Outras da categoria:

 

 “é uma realidade muito dura, mais frequente do que os pais possam pensar, é diferente do bulling em dois aspectos principais: um tem a ver com o palco porque muito mais gente vê o que é que está a acontecer, outra tem a ver com o controle, nunca se sabe quando começa nem quando vai terminar. A literatura mais recente refere que o cyberbulling aumenta em três vezes o risco de suicídio”.

Aos pais Rosário Carmona e Costa deixa ainda um conselho. À semelhança do que acontece na vida real os pais devem também conhecer a vida virtual dos filhos “quais são os sites que o meu filho visita, quais são os chats em que ele fala, quais são os amigos que tem on line, a maior parte dos pais não sabe dizer o nome do jogo que o filho joga. O primeiro conselho é que conheçam a vida virtual do vosso filho”.

Para esta psicóloga clinica mais do que falar em número de horas de exposição aos ecrãs, é importante falar em regras de utilização desses ecrãs. “Quando é que pode ir quando cumpriu todas as suas tarefas, portanto o facto tempo não é bom indicador. É pior um adolescente estar meia hora no computador exposto a conteúdos que o agridem do que duas horas a fazer uma coisa que não perturba o seu desenvolvimento”.

E agora? É a pergunta que dá o título ao livro e que a própria autora responde? “Agora vamos repensar as nossas práticas educativas, não vamos fugir das novas tecnologias, vamos fazer delas aliadas mas também não pode acontecer o contrário que é fingir que não existem”.

À semelhança do que acontece na vida real os pais devem também estabelecer regras na vida virtual dos filhos.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2017 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados