RCB/TuneIn
Segunda, 11 Dez 2017
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
CHOCALHOS: MENOS GENTE, MAIS QUALIDADE
Rádio Cova da Beira
Entre 20 a 30 mil pessoas visitaram os Chocalhos que decorreram durante três dias em Alpedrinha. O número é avançado pelo presidente da junta da vila que faz um balanço positivo do certame que, não tendo enchentes de outros anos, permitiu aos visitantes usufruírem dos espaços, conquistando públicos de todas as idades, refere Carlos Ventura.
Por Paula Brito em 20 de Sep de 2017
 

“Eu vou falar entre os 20 mil e os 30 mil, é um número razoável, não são aquelas enchentes na rua de estarmos tantos minutos para fazer 10 metros, porque isso também não é saudável, saudável é isto, é podermos circular pelas ruas, usufruir dos espaços, hoje também já começamos a ter gente de todas as idades dos mais pequeninos aos mais velhos”.

Uma das novidades este ano foi a dinamização do designado largo das placas com os mercados tradicional e de produtos biológicos, uma aposta ganha na opinião de Carlos Ventura “está bem situado, as pessoas puderam ver, comprar e sobretudo fiquei muito contente com o sucesso do mercado biológico que queremos promover uma vez por mês em Alpedrinha, faço um balanço bastante satisfatório até pelo que ouvi daqueles que participaram”.

No festival dos Caminhos da Transumância não faltaram os chocalhos. Francisco Cardoso, dos poucos mestres chocalheiros do país, veio do Alentejo, como todos os anos, para participar na maior festa da temática de todo o país “esta é a nossa melhora feira, para vender chocalhos esta é a feira mais típica, para nós é sempre bom porque como os chocalhos são o centro das atenções as pessoas procuram desde o porta-chaves até aos chocalhos para todos os animais”.

Pelas tasquinhas dos petiscos tradicionais há queixas de menos gente do que noutros anos mas a festa continua a valer a pena. Há 11 anos que “O farnel do pastor” abre portas no fim de semana dos Chocalhos, para a festa já criou uma bôla do pastor especial com produtos regionais, e já tem a clientela habitual todos os anos “nós já temos os clientes habituais que vêm de Lisboa, da Covilhã, de Castelo Branco, muitos estudantes e amigos, no entanto notamos um decréscimo relativamente aos outros anos, muito menos gente”.

Há oito anos a fazer filhós ao vivo nos chocalhos Ana Fazendeiro vem da Covilhã juntar-se à família em Alpedrinha para antecipar o natal na vila. E este ano as filhós saíram bem? “saíram bem mas mais fraco que os anos anteriores, as noites tiveram muito frias e menos gente, principalmente na sexta-feira”, à organização deixa uma sugestão “se calhar mais animação de rua, este ano notámos isso”.

A tasca das mil e uma noites abriu pela segundo ano em Alpedrinha e o balanço é melhor do que a estreia no ano passado: “este ano é mais positivo que no ano passado, melhores condições, maior segurança, melhor ambiente, e também vendemos mais”, quanto ao futuro “faltam casas de banho”.

Para o presidente da câmara do Fundão, Paulo Fernandes, este ano voltou a confirmar-se a aposta cada vez mais na qualidade do que na quantidade dando enfâse à temática.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2017 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados