RCB/TuneIn
Sábado, 16 Dez 2017
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
FUNDÃO: OPOSIÇÃO PREOCUPADA
Rádio Cova da Beira
A situação financeira da câmara do Fundão voltou a ser um dos temas que marcou a última reunião deste mandato da assembleia municipal. Tudo porque a líder da bancada do PS afirmou que os últimos números disponíveis comprovam a situação difícil para que o PS alertou ao longo deste mandato.
Por Nuno Miguel em 18 de Sep de 2017
Conceição Martins sublinha que “nesta altura nós constatamos sempre que as receitas são sempre menores do que foi orçamentado; em 2015 teve um desvio de oito por cento e a câmara teve necessidade de pedir um empréstimo de curta duração de dois milhões de euros. Em 2016 esse desvio foi de 12 por cento e pediu mais um milhão e em 2017 já estamos com um desvio de 24 por cento e eu pergunto quanto é que a próxima câmara precisa de pedir para cobrir este diferencial. Para além disso estávamos habituados a receber nesta altura do ano a informação sobre o Pael e desta vez isso não vem com a informação escrita do presidente”.  
Uma preocupação que também foi partilhada pela bancada da CDU. Luís Lourenço não escondeu também alguma apreensão pelo facto de no último ano ter aumentado de forma significativa o prazo de pagamento aos fornecedores locais “em nome de um principio de transparência o que pretendemos é que a câmara municipal torne públicos todos os relatórios de acompanhamento trimestral do Pael enviados à Dgal. É que os fundanenses, e nós com eles, exigimos que a autarquia tenha boas contas com os fornecedores locais. E que não se caia num frenesim despesista em época de pré campanha com aumento de prazos nos pagamentos aos fornecedores locais. Preocupa-nos verificar que entre 30 de Setembro de 2016 e 30 de Junho de 2017 o prazo médio de pagamento passou de 48 para 71 dias”.
Na resposta, o presidente da câmara do Fundão sublinhou que esse relatório trimestral só não foi disponibilizado uma vez que a assembleia decorreu algumas semanas mais cedo em virtude das eleições autárquicas. No entanto Paulo Fernandes garante que “continuamos a cumprir os pressupostos do Pael, não temos tido qualquer tipo de diferença em relação a essa questão. O relatório do terceiro trimestre deve estar praticamente terminado e será disponibilizado como sempre mas posso confirmar que ele cumpre todos os pressupostos, nomeadamente o não haver pagamentos em atraso. Também em relação à questão da dívida sabemos que ela no quadro deste mandato foi até ligeiramente superior ao que estava contratualizada no âmbito do plano de consolidação financeira e acho que o importante é continuarmos nessa linha”.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2017 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados