RCB/TuneIn
Sábado, 22 Set 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
EMPREENDIMENTO TURISTICO DE LUXO PROJECTADO PARA CORTES DO MEIO
Rádio Cova da Beira
Na quinta do mineral, adquirida há 12 anos pelo empresário Pedro Castro, vai nascer um empreendimento turístico de luxo, num investimento de 8,5 milhões de euros, apresentado no salão nobre da câmara da Covilhã.
Por Paula Brito em 11 de Sep de 2017
 

O empresário de Braga, há 20 anos ligado ao sector imobiliário e construção civil, confessou a sua paixão pela Serra da Estrela “desde pequenino” onde acabou por adquirir um terreno de 100 hectares que agora pretende transformar num empreendimento turístico de luxo “há 12 anos comprámos a Quinta do Mineral, na altura não tínhamos nenhum fim específico, deixamos o terreno em stock, e eu desconhecia a componente mineira que o terreno tinha e logo que soube tratei de estudar o assunto”.

Os estudos revelaram que o terreno teve alvará de exploração de tungsténio entre 1820 e 1896, conferindo-lhe uma mais valia de que agora a empresa, designada “Estrelódromo”, pretende tirar partido dotando-a de uma oferta diferenciadora. O investimento, que está a ser preparado desde Agosto de 2015, vai ser candidatado a fundos comunitários, e a expectativa do empresário é começar as obras em Junho do próximo ano, por fases. “Numa primeira fase teremos sete unidades de alojamento e uma unidade de apoio que estão todas aprovadas no ICN-F, CCDRC, Direcção Geral de Geologia e Minas e câmara da Covilhã, e uma segunda fase em que vamos intervir na parte das minas propriamente ditas, só vamos intervir em duas galerias onde vamos ter oportunidade de vivenciar o ambiente mineiro com uma série de experiências diferentes de relaxamento, museologia, música, leitura, conferência, degustação”. A terceira fase contempla a ligação entre as duas galerias. 

Na apresentação do empreendimento o presidente da câmara da Covilhã, Vítor Pereira, disse que o projecto é muito ambicioso e abrangente “tem muitas frentes, é muito ambicioso, é um projecto à escala mundial, estamos a falar de um custo de 300 euros por pessoa/noite, não é acessível a todas as bolsas, é um turismo diferenciador, respeitador da natureza, da biodiversidade, do ecossistema e proporcionando ao mesmo tempo segurança”. O autarca refere-se a outra das vertentes do projecto que prevê um heliporto para facilitar o acesso dos clientes ao empreendimento e que estará também disponível para o combate aos incêndios.

O investimento vai permitir a criação de 22 de postos de trabalho directos, 14 dos quais na primeira fase.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados