RCB/TuneIn
Sábado, 07 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
“UM PROBLEMA ENTRE ACCIONISTAS”
Rádio Cova da Beira
O presidente do conselho de administração da empresa “Águas do Vale do Tejo” rejeita discutir na praça pública os valores das dívidas das autarquias da região ao grupo “Águas de Portugal”. Na recente reunião daquele organismo, cuja sede está instalada na Guarda, José Sardinha refere que não existem novos processos contenciosos entre o sistema e as câmaras municipais mas rejeita tornar públicos os números globais da dívida.
Por Nuno Miguel em 31 de Aug de 2017
“São matérias que estão no âmbito da empresa e dos seus accionistas e até que tudo esteja resolvido é prematuro estar na praça pública a falar sobre esses assuntos. Os processos que existem são os mesmos que já decorrem há algum tempo e sobre esse assunto não há novidades” 
O presidente do conselho de administração das “Águas do Vale do Tejo” admite que o apuramento da razão não é simples uma vez que as câmaras municipais são ao mesmo tempo devedoras e donas dos activos “os activos são dos municípios e estão ao seu serviço e até porque grande parte deles, como as instalações, as etar´s e os reservatórios foram construídas há alguns anos por esses mesmos municípios. Por isso não se pode colocar essa questão”.  
Por essa razão, José Sardinha não quer dar como absolutos nem os valores reclamados pelas “Águas de Portugal” nem aqueles que são contrapostos pelos municípios. Para a administração o que importa é garantir o equilíbrio das contas sem olhar à especificidade de cada região uma vez que o mercado está regulado. Por isso a diferenciação de tarifários entre o litoral e o interior depende, em última análise, do ministério do ambiente.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados