RCB/TuneIn
Segunda, 03 Ago 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
PRIMEIRAS MEDIDAS PARA DEPOIS DA ELEIÇÃO
Rádio Cova da Beira
A 100 dias da realização das próximas eleições autárquicas, o candidato da coligação “Vontade de Mudar” à câmara municipal da Covilhã apresentou as medidas que vai concretizar nos primeiros 100 dias de mandato caso seja eleito para o cargo no próximo dia um de Outubro.
Por Nuno Miguel em 23 de Jun de 2017
Marco Baptista afirma que os covilhanenses “estão fartos de propostas mirabolantes” e refere que a criação de emprego e a coesão social vão ser as principais linhas de actuação. Nesse sentido uma das primeiras propostas vai para a criação de um projecto de requalificação estratégica do núcleo urbano da Covilhã “com a criação de uma bolsa de espaços para arrendamento comercial, isentando-os do pagamento de todas as taxas municipais durante o prazo de um mandato autárquico, direccionando o PEDU para a sua requalificação e preparando-os para receber potenciais formas de negócio. O município da Covilhã irá subsidiar as rendas dos espaços seleccionados para arrendamento comercial até ao montante de 250 euros mensais, imprimindo folgo na economia local”.  
O candidato da coligação “Vontade de Mudar” refere que esses espaços vão posteriormente ser cedidos a empreendedores e alunos finalistas da UBI através de protocolos a celebrar com a universidade da Beira Interior, associação empresarial e centro de emprego. Ainda com a UBI, Marco Baptista pretende realizar um serviço complementar com a instituição. Outra das propostas passa por criar condições para chamar novamente os covilhanenses ao centro da cidade “queremos resolver de um dos principais problemas que é a falta de mobilidade existente no centro histórico da Covilhã, libertando de forma gratuita os lugares de estacionamento à superfície, e renegociando de forma participada e em baixa as avenças existentes e tarifas, criando as condições necessárias para que os covilhanenses regressem ao centro da cidade”.
Na área da criação de emprego, o candidato propõe um desagravamento fiscal para as empresas que se fixem no concelho, a par de reduções do preço da água para associações e IPSS´S “desde logo a redução de derrama de 1,2% para 1%, mantendo a isenção para sujeitos passivos cujo volume de negócios no período anterior não ultrapasse os 150 mil euros. Para a captação de novas empresas que queiram sediar-se no nosso concelho e desde que criem no mínimo cinco postos de trabalho directo, aplicaremos ainda uma isenção da derrama nos primeiros dois anos, mesmo que tenham volume de negócios superior a 150 mil euros. Para além disso haverá uma redução de 50% no pagamento de taxas de licenças municipais para a sua implementação. Para além disso iremos reduzir a tarifa da água para IPSS e associações desportivas, culturais e humanitárias, para que seja de valor igual ao segundo escalão da tarifa social, implicando uma redução do preço por metro cúbico para 60 cêntimos. Tal medida traduz-se numa redução no preço do consumo da água de 33% para aquelas entidades”.
Na área social, Marco Baptista propõe refeições escolares gratuitas para todos os alunos até ao segundo escalão do ensino pré escolar e primeiro ciclo do ensino básico a par de um cheque oferta de manuais escolares para os alunos do seguindo e terceiro ciclo. O candidato da coligação “Vontade de Mudar” pretende ainda ser “diferenciador no incentivo à natalidade e adopção com a atribuição de um subsídio até ao máximo de mil euros para ser gasto no comércio local, sendo que tal subsídio será atribuído de acordo com os respectivos escalões de IRS. Este valor tem obrigatoriamente de ser gasto no comércio local, em artigos para bebés, tais como roupa, alimentação, produtos de higiene e produtos de farmácia, incluindo as vacinas não incluídas no plano nacional de vacinação”
De acordo com Marco Baptista todo este conjunto de medidas “vai permitir devolver às famílias um milhão e 35 mil euros por ano. Recursos que o candidato pretende encontrar “através da redução de gastos supérfluos assim como acabar com vários contratos de «outsourcing» que custaram aos cofres do município cerca de um milhão e 800 mil euros ao longo dos últimos sete anos”. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados