RCB/TuneIn
Quarta, 24 Fev 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
“A MATERNA CASA DA POESIA”
Rádio Cova da Beira
No dia do aniversário de Eugénio de Andrade, na biblioteca com o seu nome, Fernando Paulouro cumpriu uma promessa feita ao poeta em vida. A reedição melhorada, revista e ampliada do ensaio publicado em 2003, no âmbito da rota dos escritores da região centro, de “A materna casa da poesia”.
Por Paula Brito em 21 de Jan de 2017

Outras da categoria:

“Na altura, o poeta Eugénio de Andrade, que já estava bastante doente, viu o livro, leram-lhe partes do livro e fez uma recomendação de que o livro deveria ter outro enquadramento gráfico, no fundo, o livro revisto, reescrito e ampliado corresponde a uma promessa que eu fiz ao Eugénio que era apresentar um livro melhor”. 

O livro é o resultado da experiência de Fernando Paulouro quando acompanhou Eugénio de Andrade no seu regresso às origens “o que me deu a possibilidade de poder também transmitir para o livro aquilo que eram as indicações que ele me deu na primeira pessoa, e penso que essa matriz da Beira que está presente na poesia dele, desde os textos iniciais até textos de 2001, está muito patente no livro, é um pouco a Beira que está dentro do livro e Eugénio de Andrade que está dentro da Beira”.

Para o escritor fundanense, o livro é sobretudo um pretexto para celebrar a poesia de Eugénio de Andrade “se o livro tem algum sentido é esse, trazer Eugénio de Andrade à superfície, que é um dos poetas mais importantes da poesia portuguesa, com uma dimensão internacional, mas que, como acontece em Portugal com muitos escritores, parece estar esquecido”.

Arnaldo Saraiva que apresentou “A materna casa da poesia” perante uma sala cheia, tem a certeza que Eugénio de Andrade iria gostar da nova edição “porque é um livro que se ocupa de coisas que eram muito importantes para o Eugénio que era a mãe, a terra mãe, que era a terra natal e a terra inteira, a casa, porque Eugénio fala muito de casas, ou de moradas ou de lugares habitáveis, do calor materno e também a poesia, Eugénio viveu para a poesia”.

Eugénio de Andrade viveu para a poesia que hoje, passada uma década da sua morte, se mantém viva “a poesia do Eugénio de Andrade está aí ainda para durar durante muitos anos e para nos dar vida.” Conclui Arnaldo Saraiva.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados