RCB/TuneIn
Quinta, 22 Out 2020
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
CALENDÁRIO DEFINIDO
Rádio Cova da Beira
O CDS/PP da Covilhã vai dar um prazo ao PSD para definir, até ao início do próximo ano, se as duas forças políticas vão avançar com uma coligação naquele concelho para as eleições autárquicas de 2017. A questão foi analisada na última reunião plenária de militantes.
Por Nuno Miguel em 26 de Nov de 2016

No final deste encontro o presidente da concelhia do CDS referiu que tem existido paciência nas conversações entre os dois partidos tendo em vista chegar a um entendimento. Mas como toda a paciência tem limites, o de Nuno Reis vai chegar no princípio de 2017 “o nosso limite, que o PSD já conhece, e que é o limite do plausível para preparar uma estratégia correcta e ganhadora para 2017 é o final deste ano. Nesse sentido o calendário que nós definimos já foi apresentado ao PSD. A Covilhã precisa urgentemente de uma estratégia conjunta, pensada e equilibrada que possa projectar o futuro do concelho para já de 2017. Essa é a nossa principal preocupação”.  

O presidente da concelhia do CDS da Covilhã acrescenta que o próximo acto eleitoral autárquico vai ter características muito especiais da Covilhã uma vez que o concelho se encontra mergulhado na situação mais difícil desde o 25 de Abril “nas diversas questões como o social, o económico e até o próprio desenvolvimento político do concelho aquilo que nós percebemos é que o cenário nunca foi tão difícil desde o 25 de Abril. Vivemos hoje um cenário na nossa cidade a que nunca se assistiu de constante empobrecimento, de desaparecimento de empresas e de instituições e isso deixa-nos muitíssimo preocupados”.

Um plenário de militantes que também contou com a presença do vice presidente da direcção nacional do CDS. Com fortes ligações à Covilhã, Adolfo Mesquita Nunes refere que existe a obrigação de apresentar um projecto credível para um concelho que se encontra estagnado “há condições para apresentar uma candidatura mobilizadora e que diga aos covilhanenses que é possível voltar a colocar a Covilhã no mapa. Uma candidatura ambiciosa e não resignada e que o espaço do centro e da direita tem toda a obrigação de apresentar essa alternativa. Se até ao principio do próximo ano não surgir dentro desse espaço político o CDS tem essa alternativa, tem os rostos, o programa e vai apresenta-lo”.

E estará Adolfo Mesquita Nunes disponível para dar o seu contributo nessa batalha eleitoral autárquica? “essa é uma questão que ainda é extemporânea uma vez que neste momento há conversas entre o PSD e o CDS e eu acho que o importante é apresentar uma candidatura mobilizadora e vencedora. Se até ao final deste ano isso não acontecer então essa pergunta pode ser feita mas para já, como disse, é extemporâneo”. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2020 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados