RCB/TuneIn
Segunda, 25 Jan 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
“HÁ IRREGULARIDADES QUE IMPORTA CORRIGIR RAPIDAMENTE”
Rádio Cova da Beira
O sindicato dos trabalhadores da hotelaria, turismo, restaurantes e similares denuncia a existência de um conjunto de situações irregulares na actualização dos salários dos trabalhadores. A afirmação feita pelo coordenador da região centro daquela estrutura sindical, em conferência de imprensa, que culminou um conjunto de contactos efectuados com trabalhadores em vários pontos do distrito.
Por Nuno Miguel em 26 de Aug de 2016

António Baião refere que a grande maioria dos espaços de restauração das grandes superfícies comerciais é associada da AHRESP, com quem o sindicato assinou um novo contrato colectivo de trabalho, mas até à data ainda não foi pago o valor com retroactivos aos trabalhadores “nós negociámos esse contrato com a maior associação patronal que, só para dar o exemplo, no Serra Shopping são todos sócios da Ahresp e já deviam estar a aplicar a nova tabela salarial com retroactivos a Janeiro deste ano. Mas no contacto que fizemos com os trabalhadores pudemos constatar que isso não se verifica; as empresas ainda estão a pagar o salário mínimo nacional porque não classificam os trabalhadores de acordo com a sua categoria profissional. A maior parte deste trabalhadores são admitidos como aprendizes e ficam «ad eternum» nessa situação quando deviam ser empregados de balcão porque estão lá sozinhos e não estão a aprender nada com ninguém”.

Outra das situações preocupantes diz respeito à contratação sazonal devido ao afluxo turístico. António Baião sublinha que há casos que se configuram como concorrência desleal e a que é necessário por cobro “sabemos que há várias unidades que tem ao seu serviço pessoas com trabalho não declarado: Há determinadas épocas do ano em que o afluxo aumenta, nomeadamente numa região como esta na época alta do turismo, mas os trabalhadores são contratados por um dos dois meses, sem descontos para a segurança social e impostos e nesses casos há concorrência desleal em relação às empresas que cumprem todas essas obrigações”.

Ao nível do distrito de Castelo Branco, o coordenador regional do sindicato sublinha que há dois processos que vão continuar a ser acompanhados muito de perto mas a acção desenvolvida até aqui já permitiu alcançar resultados muito positivos “houve a condenação da «Turistrela» que não queria pagar os salários correctamente e ter de pagar retroactivos e como foram condenados em tribunal já estão a fazer esses pagamentos. Como sabem agora houve a subconcessão dos hotéis do grupo ao grupo «Luna» e nós estamos a acompanhar essa situação para que tudo corra de forma normal. Para além disso temos acompanhado o sector das cantinas e refeitórios, mais concretamente em relação ao hospital, onde existe um conjunto de irregularidades promovidas pela empresa “geral” e que importa regularizar o mais depressa possível”.   

A poucos dias do arranque do novo ano lectivo, o sindicato tornou ainda público que solicitou uma audiência com o ministério da educação com o objectivo de acabar com as situações de trabalho precário que nas cantinas escolares que, em muitos casos, é assegurado por trabalhadores em situação precária ou por empresas de trabalho temporário.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados