RCB/TuneIn
Quinta, 25 Fev 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL�TICA
CANDIDATURA APROVADA
Rádio Cova da Beira
Obras de requalificação do cine teatro Gardunha podem arrancar no início de 2017. O timing foi avançado pelo presidente da câmara do Fundão na última reunião pública do executivo onde Paulo Fernandes anunciou a aprovação da primeira fase do plano estratégico de desenvolvimento urbano do Fundão.
Por Nuno Miguel em 29 de Mar de 2016

No total está previsto um conjunto de investimentos na ordem dos cinco milhões de euros, até 2018, e onde a reabilitação do cine teatro foi um dos investimentos considerados elegíveis “nós posicionámos essa obra com um investimento global na ordem dos dois milhões e 400 mil euros com uma comparticipação do Feder a rondar os dois milhões e nesse sentido posso dizer, com uma taxa de certeza quase absoluta, que finalmente o nosso cine teatro vai ser recuperado”.

A obra vai custar cerca de dois milhões e meio de euros mas a comparticipação comunitária não abrange a totalidade do investimento o que vai obrigar a autarquia a um esforço suplementar para assegurar a componente nacional “estamos a falar de um esforço de auto financiamento que vai rondar os 400 mil euros mas honestamente refiro que, enquanto expressão de cine teatro, e sendo um edifício emblemático cuja recuperação é algo que todos desejam temos de aproveitar esta oportunidade porque trabalhámos muito para ela, nem que para isso se tenha de preparar economicamente o nosso município para poder dar uma resposta a isso”.

O projecto para a reabilitação do edifício vai agora ser desenvolvido por uma equipa mista entre os serviços técnicos da autarquia e o arquitecto José Manuel Castanheira e o presidente da câmara do Fundão espera que o concurso público para a realização da obra possa ser lançado ainda antes do final deste ano “nós queremos que o projecto esteja pronto no final do verão para que em Setembro ou Outubro possa ser lançado o concurso público e no principio de 2017 começar a obra. Este é um projecto de reabilitação e só por essa expressão se percebe que vai haver ali uma enorme preocupação em tentar manter as suas áreas funcionais e também vamos procurar preservar na totalidade a sua imagem externa”.

Paulo Fernandes acrescenta que, para além da recuperação de toda a parte exterior, o projecto vai incidir fundamentalmente na adequação dos espaços interiores às exigências culturais dos dias de hoje “a plateia e o balcão por causa dos ângulos, as questões da mobilidade, o número de lugares e também a componente do palco; nós pretendemos que ele seja um espaço de apoio a tudo o que é a componente das indústrias criativas e inovadoras que temos na nossa cidade, um espaço para a divulgação do trabalho dos nossos agentes culturais e que também nos ajude naquilo que é o quadro de programação e dinamização do nosso concelho, nomeadamente na atracção de eventos, uma vez que passamos a ter um espaço com 300/400 lugares e que nos permite dar uma nova resposta que actualmente o Fundão não tem”.

  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados