RCB/TuneIn
Quarta, 11 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
35 MILHÕES DE EUROS DE ORÇAMENTO
Rádio Cova da Beira
Estão aprovadas as grandes opções do plano da câmara municipal da Covilhã. Os documentos foram votados por maioria na última reunião extraordinária do executivo mas mereceram alguns reparos por parte dos vereadores da oposição.
Por Nuno Miguel em 31 de Oct de 2015

O eleito da CDU absteve-se na votação do orçamento por considerar que não existem programas específicos para áreas fundamentais como a cultura, desporto, educação ou protecção civil. José Pinto refere que o documento apresenta algumas preocupações com o saneamento financeiro da autarquia “parece-nos haver alguma vontade nesse sentido” mas acrescenta que nalgumas áreas é pobre “mais uma vez os auxílios económicos às famílias ficaram para as calendas, a questão da diminuição da factura da água não está assumida por parte do executivo. O ano passado o senhor presidente dizia que era o ano das freguesias e a verdade é que não há uma obra feita nas freguesias”.

Já o eleito do movimento “Acreditar Covilhã” acabou por votar contra os documentos. Nuno Reis refere que este orçamento não passa de um conjunto de promessas para os quais não existe capacidade de resposta, sublinhando ainda o reduzido índice de execução que o ano 2015 está a verificar “essa execução é pífia uma vez que não chega ainda aos dez por cento relativamente ao orçamento que foi aprovado há um ano; para além disso a autarquia continua a criar ilusões ao fazer promessas que sabe que não tem cabimentação financeira. A ilusão presente neste orçamento mereceu o nosso voto contra porque percebemos claramente que existem rubricas que estão mais do que valorizadas quando as reais necessidades dos cidadãos não estão reflectidas”.

Críticas que o presidente da câmara da Covilhã desvaloriza. Vítor Pereira sublinha que em 2016 o orçamento não vai descurar a realização de obras nas freguesias nem de investimentos fundamentais para o concelho que vão ter como base o novo quadro comunitário de apoio. O autarca acrescenta que “é um orçamento de rigor, de contenção, objectivo e transparente; ele visa continuarmos a sanear as finanças municipais porque a trajectória de recuperação da dívida continua a ser uma das nossas prioridades e só estabilizando financeiramente a câmara é que nós vamos conseguir prestar um serviço público cada vez melhor aos nossos cidadãos. Ao mesmo tempo importa sublinhar que este orçamento tem também uma forte componente de apoio social”.

Nesta reunião extraordinária o eleito do “MAC” sublinhou que ainda não foi encontrada uma solução para liquidar a dívida de oito milhões e meio de euros à empresa “Park C”. Nuno Reis refere que se esse montante transitar para o orçamento de 2016 a câmara da Covilhã vai ficar numa “situação calamitosa”. Na resposta Vítor Pereira referiu que a autarquia está a estudar várias alternativas em simultâneo para ultrapassar o impasse e garante que “a solução final vai ser apresentada muito em breve”. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados