RCB/TuneIn
Quinta, 17 Out 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
LARDOSA VAI FICAR “UM BRINQUINHO”
Rádio Cova da Beira
A junta de freguesia de Lardosa vai, a partir do próximo ano lectivo, custear os livros e material escolar de todas as crianças que se inscreverem na escola do primeiro ciclo. A cumprir o último mandato à frente da junta, José Dâmaso ainda quer abrir a casa museu da aldeia, terminar as obras de requalificação da envolvente à estação de Caminhos-de-ferro e deixar a freguesia “um brinquinho”.
Por Paula Brito em 19 de Mar de 2015

Convidado esta semana do programa “Prova dos Novos” da RCB, o autarca diz que a decisão de custear livros e material escolar vem complementar outra decisão, que já está este ano em funcionamento, de ter um horário alargado, das 6h da manhã às 19h, para as crianças do jardim-de-infância e primeiro ciclo “o objectivo é facilitar a vida dos pais que em vez de levarem os filhos para Castelo Branco, tão cedo, deixam-nos aqui, nós tomamos conta deles”. Desta forma, o autarca mantém aberta a escola da Lardosa frequentada actualmente por 28 crianças, 13 no pré-escolar e 15 no primeiro ciclo “uma aldeia sem uma escola é uma tristeza”.

Até final do mandato, é intenção do autarca abrir a casa museu da aldeia, numa antiga taberna doada à junta de freguesia por uma família da Lardosa. O projecto já existe e pretende preservar as artes, ofícios, tradições e memórias da Lardosa “temos um espólio muito grande que nos tem sido dado, tudo relacionado com a Lardosa, que tinha muitos ofícios, coisas relacionadas com o caminho-de-ferro, e queríamos mostrar isso tudo”.

A meio do seu último mandato à frente da junta, José Dâmaso diz que a feira do feijão frade é já uma imagem de marca da aldeia. Este ano, na 10ª edição do certame, é intenção da freguesia apresentar a confraria do feijão frade “vamos ver se conseguimos apresentar os confrades, os trajes, e o objectivo final é certificar a marca feijão frade da Lardosa, isso é mais difícil porque os produtores terão que estar unidos, mas a confraria já é um começo”. O autarca recorda que há uma década atrás, quando a junta lançou a feira “julgavam que era uma brincadeira, ninguém acreditou muito no projecto, a verdade é que hoje esgotam mais de metade da produção na feira, e alguns dos maiores agricultores estão a pensar semear mais”.

Até final do ano o autarca espera ver concluídas as obras de requalificação da zona envolvente à estação de caminhos-de-ferro que está a ser transformada numa zona de lazer com jardim junto ao lar da aldeia e até final do mandato quer deixar as fontes e fontanários limpas e requalificadas “vou deixar a aldeia um brinquinho, como já acontece na nossa anexa de Vale da Torre”.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados