RCB/TuneIn
Segunda, 18 Dez 2017
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
CARLOS MARTINS NÃO RENUNCIA E CRITICA CARLOS PINTO
Rádio Cova da Beira
Carlos Martins não poupa nas críticas à gestão de Carlos Pinto enquanto presidente da câmara municipal da Covilhã. Em causa uma carta publicada pelo ex autarca em resposta às afirmações de Joaquim Matias que afirmou ter encontrado mais de 1000 processos na gaveta quando assumiu funções a tempo inteiro na autarquia com o pelouro do urbanismo, compreendidos entre os anos 2003 e 2013.
Por Nuno Miguel em 21 de Feb de 2015

Nessa missiva, o ex autarca afirma que o urbanismo foi “um laboratório de experiências que rebentou com a estrutura organizacional existente”, tendo tido vários responsáveis ao longo deste mandato. Declarações que levaram Carlos Martins na última reunião pública do executivo, sem nunca se referir ao nome completo do ex autarca, a recordar o período em que Carlos Pinto exerceu a função de deputado “obviamente que ninguém conhece talento ao ex presidente Carlos Alberto para comandar uma nave espacial nem capacidade para tirar um curso de brevet para comandar uma ultraleve porque foi o principal responsável pela destruição do nosso aeródromo municipal; certamente que o ex presidente Carlos Alberto ainda se lembra quando viajava para Lisboa através da «aerocondor» quando era deputado e tinha essa regalia quando a maioria dos covilhanenses demoravam mais de quatro horas para chegar a Lisboa de carro”.
Carlos Martins recordou ainda a posição assumida nas eleições legislativas de 2005 pelo anterior chefe do executivo, quando ocupou um lugar elegível nas listas do PSD à assembleia da república pelo distrito de Castelo Branco “quem não pôs os pés na câmara por várias vezes foi o ex presidente Carlos Alberto; quando foi candidato a deputado nas eleições de 2005 era presidente da câmara mas esqueceu-se de suspender o mandato e foi preciso uma comunicação da comissão nacional de eleições para suspender de imediato as suas funções de presidente e nesse período de tempo em que acumulou as funções de presidente e candidato a deputado não ser se terá havido algumas irregularidades ou ilegalidades quando estava na dupla função, talvez para ir até ao parlamento para obter o tempo de contagem suficiente para requerer a subvenção vitalícia como deputado; será verdade?” interrogou. 
O actual vice presidente da autarquia olhou também para as ausências de Carlos Pinto da câmara da Covilhã no último mandato que desempenhou como autarca “nos últimos anos de mandato em que o senhor ex presidente Carlos Alberto começou a estudar, e é um direito que todos nós temos, num curso de direito que é um curso muito exigente e que penso que não foi na universidade aberta onde todos nós podemos estudar nas nossas residências mas parece-me que foi numa instituição na capital e não sei se tirou alguns dias de férias porque às vezes era preciso ir às aulas e também não sei se ia de autocarro, comboio, em carro próprio ou à boleia; mais uma prova disto é o número exorbitante que a viatura do presidente da câmara tem, é um número com três dígitos”.  
Uma intervenção que terminou com a garantia de Carlos Martins de que não vai renunciar ao mandato de vice presidente da câmara da Covilhã “quero aqui reafirmar que estou empenhado e motivado para ajudar a nossa terra; eu sei que alguns ainda alimentam a ideia de que eu vou renunciar. Burros.Porque eu vou continuar e cumprir o mandato. E quero dizer àqueles, e eles sabem a quem me dirijo, que alguns até já são reformados e passam o tempo nos blogues, a enviar cartas anónimas nos almoços com jornalistas e com pessoas ligadas certamente ao meio judicial em Lisboa, a tentar influenciar negativamente a imagem das pessoas, do município e da câmara da Covilhã dizer-lhes que estamos preparados para tudo. E eu estou certo que o actual presidente da câmara será o actual presidente”.   
O único vereador que acabou por se referir ao nome completo do anterior presidente da autarquia foi Pedro Farromba. O eleito do “MAC” congratulou-se pelo facto de Carlos Pinto ter sido distinguido na passada semana pelo presidente da república “felicitar o antigo presidente da câmara, Carlos Alberto Pinto, pela homenagem que lhe foi prestada pelo Presidente da República em conjunto com outros autarcas e que eu acho que é um reconhecimento feito não apenas ao trabalho do ex presidente da câmara mas a todos os autarcas, e todos nós sabemos o quão difícil é a vida autárquica, e é sempre bom que haja estes reconhecimentos para que o trabalho que as pessoas tiveram durante anos seja valorizado”. 

Contactado pela RCB para comentar as declarações, Carlos Pinto respondeu através de uma nota escrita onde declara que

 “Em primeiro lugar, este personagem Martins que fala um dialecto macarrónico, exige ouvido atento para se decifrar a confusão que vai naquela cabeça. Esta intervenção, é pena não chegar a todos os covilhanenses para perceberem porque razão a Cidade está parada e desgovernada. Hoje na câmara da Covilhã as reuniões servem para insultar pessoas e não para resolver problemas tão simples como abrir piscinas, por elevadores a funcionar, tapar buracos, acabar obras, etc etc...De resto, responder a imbecilidades de um imbecil inqualificável, era promovê-lo. Esse é trabalho para que a “Visão" ainda há poucas semanas deu um contributo e que pôs este indivíduo nervoso, como é fácil verificar. Por mim não dou para esse peditório. A conduta genérica destes sectários socialistas na Câmara da Covilhã é um insulto a todos os que esperam decência e responsabilidade na acção política e nos órgãos municipais. Este Martins é um ignorante incapaz de ter postura institucional séria e respeitável de representação de uma Cidade como a Covilhã. Uma vergonha para os covilhanenses."

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

* noticia alterada. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2017 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados