RCB/TuneIn
Segunda, 20 Ago 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
CULTURA
FESTIVAL Y: UM OLHAR SOBRE ABRIL
Rádio Cova da Beira
A 11.ª edição do Festival Y, organizado pela Quarta Parede, de 8 a 25 de Outubro, olha para os 40 anos do 25 de Abril. A revolução dos cravos vai estar em destaque em, pelo menos, dois espectáculos do festival que este ano, pela primeira vez, se realiza exclusivamente na Covilhã, no palco do Teatro das Beiras.
Por Paula Brito & Paulo Pinheiro em 30 de Sep de 2014
 

Segundo Rui Sena, o Festival Y tem cumprido os objectivos com que a Quarta Parede iniciou, há 11 anos, este projecto “pensamos que continuamos a fazer aquilo que para nós é o mais importante: demonstrar que a arte contemporânea tem uma validade acrescida, demonstrar também que a pluridisciplinaridade, em sempre apostámos, faz todo o sentido na região. Se calhar, o festival Y terá sido, ao longo destes anos, o projecto que mais criadores trouxe à Beira Interior”, sublinha o dirigente da Quarta Parede.

Este ano, numa experiência piloto, a Quarta Parede decidiu não cobrar entrada nos espectáculos do Festival. Será o próprio espectador a dar o valor que pode e quer “é um ano experimental, no final iremos tirar conclusões, nós só podemos trazer espectáculos se tivermos espectadores”.

Jorge Torrão, o vereador com o pelouro da cultura na câmara da Covilhã deixou a promessa de um apoio ao festival mas não quantificou o apoio. Com um orçamento de 60 mil euros, pela primeira vez, o festival será realizado apenas na Covilhã, já que por motivos de agenda quer em Castelo Branco, quer no Fundão, não foi possível criar as habituais extensões.

O primeiro espectáculo dedicado ao 25 de Abril é precisamente o espectáculo de abertura, a 8 Outubro, com a companhia Teatro do Vestido que, na sua estreia em palcos da região, vai apresentar a peça fragmentos de “Um museu vivo de memórias pequenas e esquecidas”, um projecto performativo que parte de uma pesquisa sobre algumas das memórias da história recente de Portugal, numa perspectiva histórica, política e afectiva, e com base em testemunhos de pessoas comuns.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados