RCB/TuneIn
Segunda, 22 Jul 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL√ćTICA
35 MIL EUROS DE INVESTIMENTO
Rádio Cova da Beira
Com o voto contra de toda a oposição, a assembleia municipal de Belmonte aprovou por maioria o estabelecimento dum contrato programa entre a autarquia e a empresa municipal de promoção e desenvolvimento social.
Por Nuno Miguel em 31 de Mar de 2014
O valor total representa um investimento de 35 mil euros justificado por António Dias Rocha com a necessidade de reequilibrar as contas daquele organismo “como sabemos os habitantes e naturais do concelho não pagam qualquer valor para entrar nos museus, há reduções de preço para os jovens, para as escolas e para a população sénior e a verdade é que a câmara não pagou nada nos últimos anos à empresa municipal; em virtude disso a empresa municipal registou um deficit, que no ano 2012 foi de dois mil euros, e a câmara devia ter compensado isso de imediato”.

Embora não considere que “o valor não é elevado” a eleita da CDU acabou por votar contra a proposta. Para Marisa Tavares “as actividades e os trabalhos que a empresas municipal desenvolve no nosso entendimento deviam ser parte integrante da câmara”.

A bancada do PS saiu em defesa da proposta apresentada pelo executivo. Para Eduardo Gomes esta medida dá resposta às preocupações de desenvolvimento local que a empresa sempre evidenciou “sendo esta uma tarefa social sem retorno imediato achamos que a prática de preços mais reduzidos e a posterior celebração deste contrato programa é justificável”.

Já a bancada da coligação “Pessoas Pelo Concelho” também votou contra o documento. Para Anabela Pinto “as indemnizações compensatórias propostas traduzem-se num beneficio financeiro para a empresa municipal e simultaneamente num encargo financeiro para a autarquia pelo que outra leitura não se pode fazer que estas indemnizações compensatórias se destinam a solver os compromissos assumidos em matéria de encargos com remunerações com o actual presidente do conselho de administração da empresa”.

Críticas que o presidente da câmara municipal rejeita. António Dias Rocha diz compreender a posição da CDU, que sempre foi contra a criação da empresa, mas já quanto à posição da bancada da coligação o autarca belmontense é peremptório “quando nos diz, mais uma vez com uma maldadezinha que isto é para pagar, a senhora não se preocupou com o facto de a empresa ter tido prejuízos ? fui eu que a convenci que a empresa tinha lucro ?” interroga o autarca “não podemos correr o risco de a empresa ser extinta e é isso que acontece se apresentar resultados negativos durante três anos consecutivos”.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados