RCB/TuneIn
Terça, 21 Mai 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POLÍTICA
DISCUSS?O ACESA
A bancada do PS na assembleia municipal da Covilh? n?o cala a sua revolta perante a delibera??o tomada pelo executivo de n?o justificar faltas do vereador V?tor Pereira ?s reuni?es da autarquia sempre que seja alegado trabalho parlamentar do tamb?m deputado na assembleia da rep?blica
Por Nuno Miguel em 18 de Mar de 2009

Para José Miguel Oliveira "trata-se de uma situação ridícula e absurda uma vez que o senhor vereador não está no parlamento a tratar de assuntos particulares, mas sim em representação de todos nós".

Carlos Pinto, presidente da câmara municipal da Covilhã, entende que esta situação não passa de uma tentativa de vitimização política por parte do autarca socialista "o senhor vereador não é vitima neste processo uma vez que, pelo número de faltas às reuniões do executivo, só a boa vontade da câmara é que fez com que ele ainda não perdesse o mandato. Agora eu não posso é concordar que a assembleia da república seja mais importante para o senhor vereador do que o trabalho que é feito na câmara municipal".

A discussão acabou por intensificar-se uma vez que Vítor Pereira, que chegou a marcar presença na última reunião da assembleia municipal pretendeu usar da palavra para defender a sua honra. Carlos Abreu, presidente do órgão, não o permitiu uma vez que o deputado socialista não assistiu à discussão do tema "o senhor chegou aqui agora, não conhece as declarações que foram feitas pelo que lhe darei a possibilidade de as ouvir e numa próxima reunião, ou verbalmente ou por escrito, o senhor vai poder defender-se mas hoje não"
 

Para Vítor Pereira esta decisão do presidente da assembleia municipal da Covilhã configura "uma violação do próprio regimento do órgão, que permite a defesa da honra no final dos trabalhos. Mais uma vez imperou a lei da rolha".


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados