RCB/TuneIn
Domingo, 08 Dez 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
MATIAS DEFENDE VIDEOVIGIL√āNCIA DA FLORESTA
Rádio Cova da Beira
Foi uma das propostas deixadas pelo presidente da direc√ß√£o dos bombeiros da Covilh√£ na confer√™ncia de imprensa que serviu para apresentar alguns n√ļmeros: os preju√≠zos da corpora√ß√£o da Covilh√£ com os inc√™ndios de 15 e 23 de Agosto est√£o ainda a ser apurados mas durante este ano os bombeiros j√° foram chamados a intervir em mais de 6.450 ocorr√™ncias, 60 das quais inc√™ndios no concelho da Covilh√£.
Por Paula Brito em 31 de Aug de 2013

Este número de ocorrências envolveu cerca de 15 mil bombeiros e a utilização de 7.052 viaturas que percorreram mais de 618 mil quilómetros. Até ao passado dia 27 de Agosto a corporação da Covilhã já tinha gasto mais de 77 mil 500 litros de combustível. Os números foram apresentados por Joaquim Matias durante uma conferência de imprensa enquanto presidente da direcção dos bombeiros voluntários da Covilhã "o levantamento ainda não está totalmente feito, mas nós tivémos no terreno oficinas ambulantes a dar apoio a viaturas, tivémos pneus queimados, mangueiras queimadas, tudo isso está a ser calculado mas a ANPC, hoje mesmo, transferiu-nos 3.900 euros, de adiantamento, para uma pequena ajuda ao combustível".

O presidente da direcção dos bombeiros da Covilhã pediu uma reunião ao ministro da administração interna para lhe dar conta destes prejuízos, e garante, "apesar das tentativas de bloqueio ao encontro", que reuniu na passada semana com o secretário de estado das florestas e desenvolvimento rural "esse encontro efectuou-se, pedi ao Dr. Carlos S. Martinho que me marcasse essa reunião, e fi-lo por imperativo da urgência que devemos ter naquilo que são as diligências que devemos efectuar, sem passar por cima de ninguém, na defesa dos interesses da associação, porque fomos muito penalizados nestes fogos, e também alertar a quem de direito, segundo o nosso ponto de vista, daquilo que devemos implementar no terreno".

No terreno, Joaquim Matias defende a criação de um sistema de videovigilância da floresta a partir da Serra da Estrela para toda a Cova da beira, à semelhança do que acontece já nos concelhos de Castelo Branco, Idanha e Proença a Nova "tendo em conta a proximidade de Belmonte e Fundão, eu não sei se eventualmente um sistema de videovigilância montado na Serra da Estrela podia cobrir ou não estes concelhos, e seriam repartidos estes custos".

Para Joaquim Matias há também algumas lições a retirar dos dois grandes incêndios de 15 e 23 de Agosto "tem que haver mais interligação, porque eu constatei que tínhamos bocas de incêndio que não tinham água, tem que haver uma interligação mais profunda entre as instituições, todas elas, as Águas da Covilhã, a Câmara municipal, os bombeiros, todos nós temos que nos interligar mais".

À semelhança de Carlos Pinto, Joaquim Matias também não tem dúvidas que há mão criminosa por detrás de grande parte dos incêndios que fustigaram o concelho. Dos 60 fogos que ocorreram até agora, metade deflagraram durante a noite ou de madrugada. 


  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados