RCB/TuneIn
Quarta, 20 Out 2021
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
DESPORTO
LIGA PORTUGUESA - BENFICA E SPORTING EMPATAM
No cl?ssico dos cl?ssicos os dois eternos rivais, Benfica e Sporting, dividiram os pontos deixando para o F.C.Porto a possibilidade de se dist?nciar ainda mais destes dois candidatos ao titulo de campe?o nacional
Por José Joaquim Ribeiro em 29 de Sep de 2007

Foi um jogo encarado com as devidas cautelas por ambos os técnicos, com alguns momentos de bom futebol e outros momentos de grande emoção.

Entrou melhor o Benfica, criando desde logo uma boa oportunidade junto da baliza sportinguista, todavia, na resposta os leões também podiam ter chegado ao golo. No primeiro caso foi Di Maria a não dar o melhor seguimento a um lance rápido dos encarnados, no segundo foi Yanikke, em duas jogadas de contra-ataque, a não saber colocar a bola nas mehores condições na área onde se encontravam dois companheriros em boa posição.

O domínio encarnado durou enquanto durou Rui Costa. O craque do Benfica esteve em muito bom plano nos primeiros 20 minutos mas depois quase que desapareceu do jogo. Foi a partir daí que os comandados de Paulo Bento começaram por equilibrar a contenda para depois se terem superiorizado nos últimos minutos da primeira parte. O zero zero reflectia o que se passara no relvado.

Na segunda parte os encarnados voltaram a entrar melhor, mas sem que tivessem uma grande supremacia sobre o adversário, criando, todavia, uma excelente oportunidade para marcar, depois de um remate forte de Rui Costa ao qual respondeu o guardião sportinguista com uma defesa para a sua frente. Nuno Gomes ocorreu à recarga mas o melhor que conseguiu fazer foi enviar o esférico para fora, com esta a passar a milimetros do poste. Praticamente este equilibrio durou os primeiros 15 minutos, com esta boa ocasião para o Benfica. Foi então que os leões voltaram a crescer e em jogadas rápidas criaram duas/três situações de perigo para a baliza de Quim, que se mostrou muito atento. Os último quarto de hora foi o periodo de maior emoção, com o jogo completamente dividido, com as unidades desequilibradoras, de ambos os conjuntos a já não terem capacidades para criarem perigo, nomeadamente, Rui Costa e Di Maria, pelos encarnados e Romagnolli e João Moutinho pelos verdes.

No final o empate a zero acaba por se ajustar ao que se passou dentro das quatro linhas, destacando-se no Benfica Rui Costa enquanto teve forças e lhe deixaram ter bola, Di Maria pela profundidade que dá ao futebol encarnado e Rodriguez, pela forma como luta e aborda cada lance. No Sporting, Polga foi imperial na defesa, João Moutinho o grande obreiro nas acções defensivas e ofensivas da equipa e Romagnolli enquanto durou a condição fisica.

Pedro Henriques fez um trabalho igual a tantos outros, deixando jogar até aos limites. Teve dois lances de juizo duvidoso. Primeiro um corte com o braço de Katsuranis, dentro da área ou sobre o limite da área, e um corte de João Moutinho sobre a linha da sua área a originar protestos dos encarnados. No primeiro caso, por ter interrompido a partida, nada marcou, resolvendo a situação com uma bola ao solo e no segundo deixou jogar.


  Redes Sociais   Facebook

2007—2021 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados