RCB/TuneIn
Sexta, 22 Nov 2019
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
POL√ćTICA
EXECUTIVO REGRESSA AO OURONDO
Rádio Cova da Beira
Vereadores Jo√£o Esgalhado e Pedro Silva v√£o apresentar uma reclama√ß√£o no tribunal administrativo. Em causa est√° o n√£o agendamento do ponto solicitado por ambos em diversas reuni√Ķes: o refor√ßo da ilumina√ß√£o p√ļblica junto √† empresa Tessimax. Para o PS esta √° a melhor solu√ß√£o. V√≠tor Pereira diz que a retirada de compet√™ncias ao presidente seria ¬ďbomba at√≥mica pol√≠tica¬Ē.
Por Paula Brito em 26 de Feb de 2013

Na reunião desta manhã, no Ourondo, João Esgalhado voltou a deixar o seu protesto pelo não agendamento do tema que tem gerado um braço de ferro que vai agora ser resolvido pela via judicial “é uma reclamação que vai ser apresentada no tribunal administrativo, é uma acção relativamente rápida, de resolução urgente, e que estou convencido que irá demonstrar que tínhamos razão, e que este assunto deverá ser agendado e deliberado pela câmara e em função disso reposta a ligação pretendida”.

Para o bancada do Partido Socialista, que também tem solicitado o agendamento do tema, a via judicial é a mais adequada. Confrontado com a possibilidade do órgão retirar as competências delegadas a Carlos Pinto, uma hipótese avançada no passado sábado à RCB por Pedro Silva, Vítor Pereira exclui esse meio “é um meio muito draconiano, é uma espécie de bomba atómica política, os tribunais existem para resolver estes conflitos, penso que é uma melhor solução do que recorrermos à bomba atómica”.

 Confrontado com a reclamação que os dois vereadores eleitos pelo PSD vão apresentar no tribunal administrativo, Carlos Pinto está pouco preocupado com a situação “acham que depois do treino que eu trago de não sei quantas acções sobre a barragem que isso é uma coisa que me preocupa?”. Quanto à retirada da competência, o autarca insiste que a competência é do presidente e não do órgão “é uma competência própria”. Referindo-se a João Esgalhado, Carlos Pinto diz que “mudou desde que ficou sem a vereação a tempo inteiro, faz tudo por retaliação e nada tem a ver com os interesses do concelho”.

Antes da reunião pública que regressou ao Ourondo, o executivo reuniu em privado para aprovar, com os votos favoráveis de João Esgalhado, Pedro Silva e os vereadores do Partido Socialista, o novo regimento da câmara municipal. Um encontro onde Graça Sardinha, da bancada do PS, apresentou a suspensão do mandato por 45 dias alegando motivos profissionais. Durante esse tempo será substituída por José Armando Serra dos Reis.  

  Redes Sociais   Facebook

2007—2019 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados