RCB/TuneIn
Segunda, 17 Dez 2018
PUB
UBI
CIMD Cabecalho
SOCIEDADE
PORTAGENS TÊM EFEITO CATASTRÓFICO
Empresários do interior apontam as portagens na ex-scuts como o custo de contexto mais penalizador para as empresas. É o principal resultado do recente inquérito promovido pelo Movimento de Empresários pela subsistência do Interior e que, segundo Luís Veiga, vem comprovar o “efeito catastrófico” que as portagens estão a ter no sector empresarial um ano depois da sua introdução.
Por Paula Brito em 29 de Jan de 2013

A dificuldade de acesso ao crédito foi a segunda resposta mais votada pelos cerca de 500 empresários dos distritos de Castelo Branco, Guarda e Viseu. Apesar de neste caso o constrangimento ser nacional, há uma correlação preocupante entre a primeira e a segunda resposta “que é o rating das nossas empresas que estando no interior estão debilitadas pelo pagamento de portagens, tributação nas portagens, combustíveis porque estamos mais longe dos centros de decisão, o que leva a um aumento de custos”, explica Luís Veiga.

O empresário lamenta que o secretário de estado dos transportes até hoje não tenha respondido ao pedido de reunião solicitado pelo movimento e acusa o governante de eleitoralismo “bastou uma reunião com deputados e autarcas do norte para suspender a introdução de pórticos, em vésperas de eleições autárquicas”.

Recorde-se que recentemente o secretário de estado dos transportes anunciou que o governo está a estudar um novo modelo de cobrança de portagens que passa pelo fim dos pórticos, mas para os empresários, a suspensão das portagens “é o único caminho a seguir”.

A alternativa aos pórticos, segundo avança hoje a imprensa diária, deverá entrar em vigor já em Março e pode passar pela cobrança por satélite. O ministério da economia assegura no entanto que a decisão não está tomada e que aguarda proposta das Estradas de Portugal. 

  Redes Sociais   Facebook

2007—2018 © Rádio Cova da Beira

Todos os direitos reservados